Vídeos

Loading...

sexta-feira, 22 de setembro de 2017

PROGRAMAÇÃO CULTURAL NESTE FIM DE SEMANA EM SERRA TALHADA

Tem Caravana Cultura Viva no bairro Bom Jesus e Cinema gratuito no CEU das Artes no bairro Caxixola na Capital do Xaxado neste Final de Semana.

VÁ COM SUA FAMÍLIA, NESTE SÁBADO, DIA 23, ÀS 7 DA NOITE, ASSISTIR A UM BOM FILME. É DE GRAÇA.










E no Domingo dia 24 de setembro, às 19 horas, no Bairro Bom Jesus, na Quadra da Rua 10, em frente ao Restaurante São Martins, uma programação diversa para toda a família; faça um programa diferente, vá aplaudir nossos artistas e se divertir com nossas apresentações culturais.
PROGRAMAÇÃO: 
Exibição do filme:
LAMPIÃO E O FOGO DA SERRA GRANDE;
Grupo Sertão Frevo;
Samba de Côco As Belas da Vila;
Xaxado Zabelê e Capoeira Muzenza;
Linguagens Rítmicas e Tambores da Caxixola.

REALIZAÇÃO: FUNDAÇÃO CULTURAL DE SERRA TALHADA - PREFEITURA MUNICIPAL.
O FUTURO É AQUI!



MAIS DUAS CIDADES DO SERTÃO DO PAJEÚ VIVENCIAM O PROJETO PASSEANDO PELA HISTÓRIA – MUSEU DO CANGAÇO


 
Nos próximos dias 25 e 27 de setembro as cidade de Tabira e São José do Egito, respectivamente desembarcam no município de Serra Talhada, terra natal do cangaceiro Lampião, para reviver as histórias do Cangaço e descobrir curiosidades à cerca da Capital do Xaxado, por meio do projeto “Passeando pela História – Museu do Cangaço”, que teve início em abril e segue até novembro contemplando 17 municípios. O projeto que tem Patrocínio da Caixa Cultural é direcionado aos professores e estudantes das escolas públicas do Sertão do Pajeú, que além de conhecer a história do seu povo, vão vivenciar lugares que foram palcos de acontecimentos históricos entre Virgolino Ferreira e seus inimigos.
O ponto de partida da aula/aventura/passeio é o Sítio Passagem das Pedras – onde nasceu Lampião. Nesse percurso, os estudantes conhecem o roteiro “Nas Pegadas de Lampião”, que passa pelas Pedras da Emboscada, onde aconteceu o primeiro confronto armado entre a família os Ferreira e Zé de Saturnino (seu primeiro inimigo), a Casa Grande da Fazenda Pedreira (palco de memoráveis confrontos com cangaceiros) e desemboca na Casa de dona Jacosa, avó materna de Lampião, ali, ele nasceu e viveu até sua maioridade. 
Voltando a Serra Talhada, a visita começa na Praça Agamenon Magalhães, que originou o município (marco zero) e mantém os casarios construídos nos séculos XVIII e XIX. Igreja do Rosário, Matriz da Penha e Casa da Cultura – Museu da Cidade, que conta com muitas histórias e lendas que permeiam o imaginário popular e onde os jovens terão contato com o acervo cultural da cidade.
A maior parte da programação é no Museu do Cangaço, o maior do gênero no Brasil, que funciona na antiga estação ferroviária (prédio de 1957) e que têm fotos e objetos, como utensílios domésticos, armas, livros, filmes e documentários sobre os cangaceiros, as volantes e outros personagens que foram parte forte da história do cangaço e do nordeste brasileiro.
Os visitantes são recebidos por monitores que narram alguns fatos nesse passeio pela história. Alunos e visitantes participam de uma palestra com o pesquisador e escritor do cangaço, Anildomá Willans de Souza, que têm quatro livros publicados sobre o tema.
É servido um almoço com a culinária típica sertaneja e a aula/aventura/passeio é finalizada com uma apresentação do Grupo de Xaxado Cabras de Lampião, dança criada pelos cangaceiros.
O Projeto PASSEANDO PELA HISTÓRIA - MUSEU DO CANGAÇO tem o patrocínio da CAIXA CULTURAL, da Caixa Econômica Federal / Governo Federal.


MAIS INFORMAÇÕES
Telefones: (87) 3831-3860 / 99938 6035

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

ESPETÁCULO TEATRAL DE SERRA TALHADA PARTICIPA DE FESTIVAL EM BARBALHA-CE

O INSTITUTO CORRUPIO POVO CARIRI E GRUPO DE TEATRO LOUCO EM CENA, DA CIDADE DE BARBALHA, TORNA PÚBLICO A LISTA COM OS GRUPOS SELECIONADOS PARA PARTICIPAÇÃO NO XIII FESTIVAL LOUCO EM CENA QUE ACONTECERÁ NA CIDADE DE BARBALHA-CE DOS DIAS 07 À 14 DE OUTUBRO DE 2017.
A imagem pode conter: texto
1. QUANDO O LOBO TEM FOME - CIA DE TEATRO E DANÇA TRÊS QUARTOS - TRINDADE - PE

2. SEPARACIÓN - CIA. MANDACARU DE ARTES E EVENTOS - JUAZEIRO DO NORTE - CE

3. A LAGARTA E A BORBOLETA - MARIA DASDORES DOS SANTOS
4. CACOS PARA UM VITRAL - OITÃO CÊNICO - CARIRIAÇU
5. FULANA, SICRANA, BELTRANA, UMA COMÉDIA CHEIA DE CHARME - EQUIPE TEATRAL SERRA TALHADA - SERRA TALHADA- PE
6. EPIFANIAS - OUTROS JEITOS DE USAR A BOCA - DAKINI CIA. CÊNICA - JUAZEIRO DO NORTE - CE
7. S.F.Q.C - O CABARÉ DE DONA MARINALVA - GRUPO CÍCERA DE EXPERIMENTOS CÊNICOS - IGUATU - CE
8. AS CAIXAS... - NÚCLEO DE PRODUÇÃO CENOGRÁFICA E ESTÉTICA - PROCENE - JUAZEIRO DO NORTE - CE
9. EMBRIAGADA...EU QUERO DESABAFAR! - CIA. TEATRAL MOREIRA CAMPOS - FORTALEZA - CE
10. “OUTRA CENA, OUTRA MÁSCARA” - COMPANHIA CULTURAL CIRANDUÍS - JANDUÍS - RN
11. FIADA DE BOAS HISTÓRIAS - ELISABETE PACEHECO- JUAZEIRO DO NORTE - CE
12. EU E MINHAS CABEÇAS AVESSAS... - COLETIVO DAMA VERMELHA - JUAZEIRO DO NORTE - CE
13. TROPICALISMO - UMA HISTÓRIA NARRADA, CANTADA E VIVENCIADA - ELISABETE PACHECO - JUAZEIRO DO NORTE - CE.
O espetáculo Fulana, Sicrana, Beltrana produzido pela ETEAST - Equipe Teatral de Serra Talhada, com direção de Ivanildo Duarte, tem texto de Paulo Sacaldassy e o elenco é composto por: GildoAlves(Fulana); Dany Feitosa(Sicrana) e Carlos Silva(Beltrana), trazendo nos trabalhos técnicos o também ator, Hícaro Diego e Flavia Vieira.
A Comédia narra a história de três amigas de infância, que se encontram pelas redes sociais após vinte anos e marcam uma reunião para relembrar os velhos tempos. Entre recordações do passado e fatos do presente, as três descobrem coisas em comum, inclusive que de uma forma ou de outra, cada uma acabou sendo responsável pelo fim do casamento da outra.
A ida da ETEAST para o festival será viabilizada com apoio da Fundação Cultural de Serra Talhada, a apresentação dos artistas serra-talhadenses em Barbalha será no dia 12 de outubro às 18h no Teatro Municipal.

EQUIPAMENTOS CULTURAIS DO ESTADO INTEGRAM-SE À PROGRAMAÇÃO DA 11ª PRIMAVERA DOS MUSEUS

O evento, que acontece em 932 instituições museológicas de todo o Brasil, começou na segunda-feira (18) e contará com uma série de atividades em nosso Estado

Os Museus carregam muitas memórias que necessitam ser preservadas e reveladas à população. É com essa ideia, que o Governo do Estado, através da Secult-PE/Fundarpe, integra-se à programação da 11ª Primavera de Museus. Promovido pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), o evento, que começa na segunda-feira (18) e segue até o dia 24/9 (domingo), propõe-se a debater neste ano o tema: Museus e suas Memórias.
De acordo com a presidente da Fundarpe, Márcia Souto, um dos objetivos da ação é fazer com que os museus possam refletir, junto com os grupos sociais presentes nos territórios nos quais estão inseridos, sobre os processos e resultados de sua própria constituição e produção. “Precisamos valorizar cada vez mais a memória institucional dos museus e entender que seus patrimônios não se constituem apenas de edifícios e acervos, mas também de memórias e histórias que resultam através do trabalho museológico, como as exposições e as interações com o público”, destaca a gestora.
Em Pernambuco, quatro instituições vão participar da ação: Museu do Trem/Estação Central CapibaMuseu de Arte Sacra de PernambucoMuseu Regional de Olinda (Mureo)Museu do Estado de Pernambuco (MEPE). Na programação, estão previstas exposições, oficinas, mesas redondas e visitas monitoradas. Confira as atividades:
A 11ª Primavera dos Museus terá a participação de 932 instituições museológicas brasileiras, o maior número desde a criação da temporada nacional de eventos em 2007. Para esta edição, estão cadastradas mais de 2,5 mil atividades culturais em 417 cidades de 25 Estados e Distrito Federal. A programação completa está disponível aqui.
Fonte: culturaPE

AS INSCRIÇÕES JÁ COMEÇARAM E VÃO ATÉ O PRÓXIMO DIA 13 DE OUTUBRO


Djair Freire/Secult-PE/PCR


FestCine ocupará o São Luiz entre os dias 4 e 9 de dezembro
O Governo do Estado de Pernambuco, através da Secult-PE/Fundarpe, e a Prefeitura do Recife lançam nesta quarta-feira (13) a convocatória das mostras competitivas do 19º FestCine – Festival de Curtas de Pernambuco, que ocupará o Cinema São Luiz entre os dias 4 e 9 de dezembro.
Os interessados poderão se inscrever até o dia 13 de outubro. As inscrições deverão ser feitas exclusivamente pelo e-mail festcinepe@gmail.com, com o título de inscrição + nome do filme, e, junto à ficha de inscrição devidamente preenchida e assinada, anexar três fotos de divulgação do com o título inscrição, além da documentação descrita no edital.
Cada proponente poderá inscrever até três filmes por diretor/a, desde que em categorias diferentes (animação, ficção, documentário, videoclipe e experimental), e apenas dois filmes na mostra competitiva de Formação.
Realizado desde 1999, o FestCine exibe curtas-metragens de realizadores pernambucanos, a fim de reconhecer e dar visibilidade à produção audiovisual do Estado. Nesta edição, haverá distribuição de prêmios no valor total de R$ 58,5 mil para os melhores curtas das categorias competitivas da mostra geral (animação, documentário, experimental, ficção e videoclipe) e da mostra competitiva de formação, aberta a alunos de universidades, cursos e escolas de Pernambuco.
“O FestCine é uma das mais importantes janelas tanto para jovens quanto para os mais experientes realizadores, que transitam desde as categorias mais tradicionais até as mais experimentais. Também recebemos muita produção do interior do Estado, produtos gerados a partir de oficinas e workshops, o que nos alegra e dá a certeza de que esta ação colabora fortemente com a política de fortalecimento do audiovisual pernambucano, revelando, incentivando e consolidando o trabalho dos nossos realizadores, que muitas vezes têm no FestCine o primeiro festival que participam e a partir daí se vêm prontos para acessar outros festivais de cinema no Estado, no Brasil e no mundo”, diz Marcelino Granja, secretário de Cultura de Pernambuco.
O prêmio oficial do evento é o Troféu Fernando Spencer, concedido aos melhores nos quesitos Direção, Fotografia, Montagem, Roteiro, Produção, Direção de arte, Trilha sonora, Som, Ator e Atriz. Os três melhores filmes de cada categoria da competição geral e os melhores da mostra competitiva de formação receberão prêmios em dinheiro, em valores que variam entre R$ 2 mil e R$ 4,5 mil. Acesse aqui o edital e inscreva-se.
Para mais informações: (81) 3184-3076 / audiovisualpe@gmail.com.

FONTE: culturaPE

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

GORETE LIMA: DUAS DÉCADAS DE VIVÊNCIA, APRENDIZAGEM E CARREIRA ARTÍSTICA


Gorete Lima, Produtora Cultural, Dançarina, Atriz, Arte Educadora, Coreografa e no final desse ano conclui com louvor Licenciatura Plena em Educação Física na AESET; entrou para vida artística em 1997 ao conhecer Cleonice Maria, que a convida para participar das Oficinas de Danças Populares, principalmente o Xaxado, nesse mesmo ano passa a integrar o Grupo de Xaxado Cabras de Lampião.
“A Minha Entrada no grupo veio num momento de descoberta de minha própria identidade como pessoa e como artista e, então passo a viajar por diversos Estados do Brasil e até pra fora do País (já esteve 2 vezes na Venezuela), levando o nome de Serra Talhada e mostrando nossa arte e nossa dança”. Relembra e acrescenta: “A arte é algo que está em meu sangue, sou fascinada pelo que faço, seja na dança, onde comecei, seja no teatro e agora no cinema”. Ela tem participação em quatro filmes.
“O grupo de Xaxado Cabras de Lampião é de suma importância em minha vida, pois com ele, tive oportunidades que já mais teria durante esses 20 anos e continuo tendo. É minha segunda família, junto a esse bando de artistas, viajei por todo o país, conheci novas culturas, novas pessoas e claro, fazendo o que mais gosto”. Relembra e acrescenta: “nesses 20 anos de atuação na Fundação Cultural Cabras de Lampião, vivi emoções que não saberia expressar em palavras, pois o amor que tenho por essas atividades e pelo grupo é inexplicável. São 20 anos de muito carinho por nossa cultura, só tenho a agradecer, a Deus pelo talento, por ter conhecido Cleonice e é claro por ela me convidar a ingressar nesse universo tão vasto, cheio de conhecimento e descobertas”. Ela diz isso com alegria e completa: “Aqui aprendi bastante e continuo aprendendo”.

 Sobre momentos marcantes ela relata da carreira: “nessas duas décadas de atuação vivi momentos bons, ruins e engraçados. Bons foram vários, por exemplo, fazer o papel de Maria Bonita ao lado do querido Gilvan Santos e o momento triste foi a perca do mesmo de maneira repentina. Já um fato bem engraçado aconteceu na cidade de Mossoró, a gente estava descendo do ônibus para fazer a apresentação na praça já vestidos e o ônibus estacionado em frente ao Banco do Brasil, aí as pessoas ficaram assustadas e de repente a polícia chega e nos aborda... Só depois é que perceberam que se tratava de um grupo folclórico... (risos). São muitas histórias... Entrei no grupo como dançarina e hoje sou professora de danças populares, coreografa, coordenadora do Grupo de Danças Gilvan Santos e atriz. Trabalho também como arte-educadora no CRI-Centro de Referência do Idoso”.
Sua formação é recheada de cursos diversos em danças populares, contemporânea, interpretação teatral e para cinema e técnicas de palhaçaria, além de contação de histórias e recreação, atividades que exerce com maestria e muito talento.
Como arte educadora e coreografa desenvolve trabalhos com crianças, jovens e idosos, melhorando a qualidade de vida dessas pessoas que em muitos casos estão em situação de vulnerabilidade e através das manifestações artísticas são incentivadas a olhar a vida através do lúdico e assim, desenvolver atividades que melhoram sua qualidade de vida.
“São 20 anos dedicados às manifestações artísticas e culturais, que pelo viés transformador nos faz entender o mundo e seus percalços”. Finaliza. Nossos parabéns e vida longa a essa artista, a coluna )Cena Aberta( lhe deseja mais e mais sucesso. Evoé!

Carlos Silva
assessor FCCL

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

FUNDAÇÃO CULTURAL CABRAS DE LAMPIÃO SEGUE COM O PROJETO PASSEANDO PELA HISTÓRIA – MUSEU DO CANGAÇO



 O Museu do Cangaço em Serra Talhada, mantido pela Fundação Cultural Cabras de Lampião segue a programação do projeto Passeando Pela História, que mobiliza alunos, professores e funcionários das escolas da rede pública de ensino do Sertão do Pajeú para participarem de um ciclo de atividades formativas que acontecem dentro do Museu do Cangaço e nos principais pontos turísticos e históricos da terra onde nasceu Virgolino Ferreira da Silva – lendário Lampião. A ação tem patrocínio dos Programas Culturais Caixa de Apoio ao Patrimônio Cultural Brasileiro – Governo Federal.
            As atividades dessa aula diferente e rica em cultura e seus elementos foi elaborada pela Historiadora, Arte Educadora e Diretora do Museu Cleonice Maria e integra Palestras, apresentação do Grupo de Xaxado Cabras de Lampião, exibição de filmes e visitas aos principais pontos históricos do município: a Igreja de Nossa Senhora da Penha, Praça Sérgio Magalhães, Casa da Cultura de Serra Talhada, Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos e a Concha Acústico (marco zero da cidade), acompanhados por guias devidamente caracterizados e preparados para contar de maneira objetiva detalhes sobre cada equipamento visitado pelos estudantes e esclarecer suas dúvidas, a cerca da história de Lampião e seu bando e os fatos marcantes que fazem a Capital do Xaxado atrair tantos visitantes.
A Aula/Passeio contempla ainda, uma visita ao sítio Passagem das Pedras, dentro do roteiro ‘nas pegadas de Lampião’; a primeira parada é nas PEDRAS onde aconteceu o primeiro confronto armado entre os irmãos Ferreiras (família de Lampião) e Zé Saturnino (primeiro inimigo).
Sem sair da trilha chega-se as ruínas da antiga casa-grande da fazenda Pedreira, pertencente a Zé Saturnino. Onde foi palco de um dos mais emocionantes capítulos da história do cangaço.
Um pouco mais adiante se pisa no Sítio Passagem das Pedras – onde está à casa de Dona Jacosa, avó materna de Virgolino, onde ele nasceu.

Finalizando as atividades os estudantes participam de uma apresentação do Grupo de Xaxado Cabras de Lampião que é o maior divulgador desta dança e mantém a originalidade e autenticidade conforme criada pelos bandoleiros do sertão. É uma trupe de artistas sertanejos – que reproduzem no palco como os cangaceiros se divertiam nas caatingas, nos intervalos dos combates.
As próximas cidades a vivenciaram o projeto serão Itapetim dia 14 de setembro, São José do Egito e Tabira com datas a definir.
O Projeto PASSEANDO PELA HISTÓRIA - MUSEU DO CANGAÇO tem o patrocínio da CAIXA CULTURAL, da Caixa Econômica Federal / Governo Federal.
MAIS INFORMAÇÕES
Telefones: (87) 3831-3860 / 99938 6035

terça-feira, 12 de setembro de 2017

CULTURA POPULAR DE PRIMEIRA


Otimismo é outro elo entre os brincantes. Mas não um sentimento cego, é bom ressaltar, e, sim, uma crença de que há uma missão a ser cumprida. “Os movimentos de cultura popular já vêm resistindo há muitos anos. Vários focos desses movimentos são resistentes pela própria forma de ser: quilombolas, ciganos, cangaceiros, ribeirinhos, todos nós temos histórias de luta na nossa ancestralidade. Naturalmente, somos matriz de resistência e vamos continuar sendo”, coloca Cleo Maria, uma das fundadoras do Cabras de Lampião, de Serra Talhada, terra natal do cangaceiro Virgulino Ferreira dos Santos. 

O Cabras de Lampião existe há 22 anos e tem um arcabouço de infraestrutura que o diferencia de outras agremiações: possui CNPJ, é ponto de cultura pelo Ministério da Cultura (muito embora Cleo não saiba até quando, dado o desmonte institucional em vigor no país), mantém o Museu do Cangaço e uma escola de xaxado. “Desde o início, fazemos um trabalho de conscientização para o jovem entender que o xaxado é a identidade dele, é a nossa, é a do Nordeste. Temos que valorizar as nossas raízes e o interesse pela cultura, e não pelo forró de Safadão”, sustenta Cleo. 

Cabras de Lampião existe há 22 anos em Serra Talhada
No meio do show de Garanhuns, o vocalista do Cabras de Lampião, Karl Marx, anuncia que o DVD do grupo está à venda. Àquela altura, o público estava encantado pela apresentação – 15 pessoas no palco, entre músicos e dançarinos, com perfeita indumentária, domínio cênico e um discurso que mesclava gritos de guerra de Lampião e Maria Bonita e vaias e palavras de ordem contra o atual presidente do Brasil. Uma hora depois, Marx – filho mais velho de Cleo e irmão de Sandino Lamarca, batizados assim não por acaso – falava sobre resistência: “O grupo surgiu em um contexto nada favorável, no interior do Estado, onde tudo é mais difícil, ainda mais no Pajeú historicamente comandado por coronéis e grupos familiares. Manter por tanto tempo já é vitória”. 
Mãe e filho concordam na importância do acesso. “A tecnologia ajuda a divulgar, mas a mídia é omissa e covarde. Nossas músicas não são tocadas nas rádios, não há interesse em divulgar. Não dão opção ao povo de escolher”, lamenta Cleo. “Mestre Assisão já dizia que um povo sem cultura é povo sem identidade, sem pátria. Sabemos que as pessoas não têm acesso a essa história muito presente, que faz parte da nossa região. Não estamos falando de uma coisa antiga, de Roma de 10 mil anos atrás, mas da realidade do Nordeste”, endossa Karl Marx.

A sua lógica é coerente: como preferir Julio César a Lampião?

FONTE REVISTA CONTINENTE 

LAMPIÃO NO AR

LAMPIÃO NO AR -  Um espaço dedicado a cultura, a arte e a história do sertão do Pajeú. Um programa onde toca a sua música, onde recitam seus versos e anunciam os eventos culturais, deixando você por dentro dos editais de patrocínio. LAMPIÃO NO AR, aos sábados, das 11 às 12 horas, na Rádio Serra FM,  87.9, com apresentação de Sebastião Costa e Karl Marx.

terça-feira, 5 de setembro de 2017

CELEBRANDO OS 90 ANOS DO COMBATE DA SERRA GRANDE, BATALHA EXPRESSIVA ENTRE VOLANTES E CANGACEIROS, A FLLC LANÇA FILME


A Fundação Cultural Cabras de Lampião lançou mais um filme com incentivo do FUNCULTURA/Audiovisual – FUNDARPE/Governo de Pernambuco, “LAMPIÃO E O FOGO DA SERRA GRANDE” é o título dessa nova produção, após o sucesso de “PAPO AMARELO – O PRIMEIRO TIRO”.
Lampião e o Fogo da Serra Grande retrata o combate acontecido no dia 26 de novembro de 1926, aonde o Grupo de Lampião impôs uma verdadeira derrota a Policia Militar de Pernambuco, quando mediram forças no confronto sangrento, em plena caatinga. 90 anos após o chamado FOGO DA SERRA GRANDE, ainda ecoa os estampidos das armas na Literatura de Cordel, nos versos dos violeiros e agora em filme produzido pela Fundação Cultural Cabras de Lampião.

Estava Lampião arranchado na fazenda Carrapicho, quando foi informado de toda movimentação da policia, que indicava tratar-se de uma grande ação contígua que iriam perpetrar, seguramente, contra ele. Era a oportunidade aguardada para acabar com seus inimigos de uma tacada, inclusive fazer seu grande espetáculo em técnicas de guerrilha, humilhando todo poderio bélico das forças do governo, seguiram para serra grande e lá se deu o maior combate armando entre volantes e cangaceiros.
O roteiro e a direção são de Anildomá Willans, que é pesquisador do cangaço e Lampião há muitos anos e autor de alguns livros sobre esse tema. O elenco traz atores como Modesto de Barros, Paulo Eduardo, Karl Marx, Luís Carlos Araújo Alves, Gildo Alves e grande elenco no núcleo do Cangaço; Sebastião Costa, Humberto Cellu’s, Feliciano Feliz, Carlos Silva, Ricky Lacerda e numero expressivo de atores compondo o núcleo da Volante; além de Dorotea Nogueira e Zuleide Vieira.

A direção de Fotografia e Câmera ficou por conta de Camilo Melo e Álvaro Severo que têm uma vasta experiência nesse tipo de produção, o filme ficou com 24 minutos e onde é exibido agrada e desperta a curiosidade dos expectadores. Em breve o DVD estará a venda no Museu do Cangaço, para os antenados no yutube segue o link: https://www.youtube.com/watch?v=CztMvro-1nI&t=11s
  

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

APRESENTAÇÃO DE 'O SUPLÍCIO DE FREI CANECA' NA ÚLTIMA SEXTA (1º) FOI UMA AÇÃO DA FUNDARPE EM COMEMORAÇÃO AO BICENTENÁRIO DA REVOLUÇÃO PERNAMBUCANA

João Paulo Seixas/Secult-PE
Escrita por Cláudio Aguiar e com direção de José Francisco Filho, a peça pincela de forma precisa um recorte na biografia do carmelita
Marcus Iglesias
O legado deixado pelo revolucionário Frei Caneca é de fundamental importância para quem quer entender a história de Pernambuco. Em tempos de crescente difusão da intolerância, conhecer a fundo o movimento de contestação ao autoritarismo defendido pelo religioso é um alento na construção de uma consciência política mais justa na sociedade. Essa é a proposta do espetáculo O Suplício de Frei Caneca, que numa parceria com a Fundarpe – através do Outras Palavras – foi realizada na última sexta-feira (1º/09), na Igreja Santa Tereza D’Avila da Ordem Terceira do Carmo, para um público formado por dezenas de estudantes de sete escolas públicas do Recife.
Escrita por Cláudio Aguiar e com direção de José Francisco Filho, a peça pincela de forma precisa um recorte na biografia do carmelita, focando no período entre sua ordenação até sua sentença de morte. Alguns episódios citadas na montagem são, por exemplo, quando Joaquim do Amor Divino Rabelo ficou preso na Bahia por sua participação na Revolução Pernambucana de 1817, ou como ele recebeu o processo de outorga da Constituição de 1824, iniciado pelo Imperador Dom Pedro I, que resultou na Confederação do Equador (1824). O espetáculo é repleto de discursos de Frei Caneca, que inspirado pela Revolução Francesa pregava ideias revolucionárias como a mudança no regime monárquico e a independência do Brasil.
João Paulo Seixas/Secult-PE
João Paulo Seixas/Secult-PE
O ator Buarque de Aquino retorna ao teatro pernambucano com o papel de protagonista
A encenação conta com a atuação do renomado ator Buarque de Aquino, que retorna ao teatro pernambucano com o papel de protagonista, além de uma equipe formada por mais de 20 pessoas, entre artistas e técnicos. A trilha é executada ao vivo por Júlio César Brito e Matheus Marques, e alguns poemas de Frei Caneca foram musicados, como o que diz “Quem passa a vida que eu passo / Não deve a morte temer / Com a morte não se assusta / Quem está sempre a morrer” – um dos momentos mais emocionantes da apresentação.
Para o diretor José Francisco Filho, os jovens que assistiram ao espetáculo são privilegiadas pela oportunidade. “Temos aqui no estado milhares de jovens que precisam saber da história deste que é um mártir da Revolução Pernambucana. Uma figura que foi importante para o Brasil talvez mais que o próprio Tiradentes, tão cultuado nos livros de história”, opinou.
João Paulo Seixas/Secult-PE
João Paulo Seixas/Secult-PEParticiparam da sessão estudantes de sete escolas da rede pública estadual que ficam na Região Metropolitana do Recife
O Suplício de Frei Caneca foi produzido nos últimos seis meses – quando três produtores se envolveram a finco na pesquisa e criação. “Mas fazer isso só foi possível porque conseguimos um patrocínio da Copergás. Estamos agora em busca de captação de recursos através da Lei Rouanet porque a peça é um projeto grande e queremos construir uma temporada com ela”, revelou Manoel Constantino, um dos produtores.
Eurico Jorge, professor de filosofia e sociologia do EREM Joaquim Nabuco, uma das escolas que participou da sessão, acredita que conhecer Frei Caneca é fundamental para entender outros momentos da história que repetem os mesmos modelos de exclusão que aconteceram naquele período. “Se quisermos cobrar das pessoas procedimentos éticos e uma vida justa, temos que sair da religiosidade fechada de só a agradecer a Deus e perceber que esse agradecimento começa quando nos preocupamos com o nosso semelhante. Creio que foi essa a mensagem que Frei Caneca quis passar, que não é um discurso propriamente religioso, e sim político, apesar de em momento algum ele negar sua religiosidade. Muito pelo contrário, foi ela quem o levou a uma militância numa sociedade mais justa”, comentou o professor, que revela que pretende na escola provocar os alunos a fazer um debate sobre o assunto. Ainda dentro da parceria com a Fundarpe, o espetáculo segue para o Engenho Massangana, no próximo dia 23 de setembro.
fonte CulturaPE

sábado, 2 de setembro de 2017

CONVOCATÓRIA - XIII ENCONTRO NORDESTINO DE XAXADO


Olá, cangaceiros de todo Brasil.
Arrumem o matulão e venham pra Terra de Lampião e Capital do Xaxado.
XIII ENCONTRO NORDESTINO DE XAXADO – Será nos dias 01, 02, 03 e0 4 de novembro de 2017, em Serra Talhada/PE. As inscrições estão abertas no período de 04 a 22 de setembro. Veja no site a CONVOCATÓRIA e FICHA DE INSCRIÇÃO. Site: www.cabrasdelampiao.com.br
Saudações cangaceiras.
CLEONICE MARIA

Produção

terça-feira, 29 de agosto de 2017

PROGRAMAÇÃO POLO CULTURA VIVA

 Confira a programação oficial do Polo Cultura Viva, montado na Praça Sérgio Magalhães no período de 28 de agosto a 08 de setembro de 2017