Vídeos

Loading...

quinta-feira, 23 de março de 2017

SERRA TALHADA RECEBE MAIS UMA EDIÇÃO DO POETIZANDO

A 9ª Edição do SARAU DO POETIZANDO A ROTINA será da mesma forma que as outras edições, uma atividade direta ao público.
Nesta data celebraremos o aniversário de 4 anos de coletivo. Ou seja, um evento comemorativo. E o município escolhido foi
Serra Talhada-PE, por ser berço de inúmeros poetas declamadores e já recebido no Museu do Cangaço uma edição desse evento.
A nossa intenção é estender a cultura de Serra Talhada com esse evento que acontecerá no Calçadão da Concha Acústica (em frente a Igreja do Rosário).
Convidamos a "nata" dos artistas serra-talhadenses e ao retratar a ideia com alguns desses poetas de tão valoroso talento.
Desta vez, por ser um evento comemorativo, a demanda é fazer um movimento mais eclético, envolvendo música (além das declamações) e apresentação de alguns artistas. 
Todos estarão apto a se apresentarem.
A atração musical fica por conta de PC Silva, cantor e compositor pernambucano, a priori serra-talhadense, atuante na "bandavoou", grupo este aclamado pela crítica nacional e vencedora de vários festivais no país. PC apresentará o seu projeto "PC Silva - Convida".
Então poetas, nos vemos no dia 25 de março, a partir das 18h.
“Amigos de Serra Talhada, no próximo sábado (25/03) será realizado o Sarau Poetizando a Rotina na Concha Acústica (em frente a Igreja do Rosário), a partir das 18h. Vamos partilhar de muita arte e música.
PC Silva com o seu novo projeto "PC Silva -  Convida" será o responsável de trazer a musicalidade para todos.
Levem suas inspirações poéticas, literárias e o microfone junto ao espaço será aberto para todos se apresentarem e declamarem”;
convida o Diretor/Presidente da Fundação Cultural de Serra Talhada Anildomá


quarta-feira, 22 de março de 2017

SIMONE SANTOS: DE UMA INFÂNCIA DE PERDAS, NASCE UMA TALENTOSA DANÇARINA E UMA GRANDE E INDEPENDENTE MULHER

 SIMONE ALVES DE SIQUEIRA SANTOS Nasceu no dia 24 de março de 1986, em Manaíra, Paraíba. Teve uma infância muito difícil, “perdi minha mãe, ainda criança com apenas 6 anos, então, tive que começar a trabalhar bem cedo, meu primeiro emprego foi aos 12 anos como auxiliar de escritório”; relembra com leve tristeza no olhar, ainda criança veio pra Serra Talhada e foi criada por uma tia.

A menina que tinha sonhos como qualquer adolescente. Almejava grandes feitos para sua vida, um deles (por assistir ensaios e perceber a beleza e a disciplina dos componentes já que morava pertinho da escola aonde o grupo de Xaxado Cabras de Lampião ensaiava), era dançar Xaxado. “um dia conheci Domá e Cléo em um ensaio do grupo, e naquele momento decidir: quero dançar, quero viver de dança e da cultura, então passei a ter aulas de Xaxado me tornei dançarina representando no início a cangaceira Dadá, esposa do temível Corisco; logo depois me tornei a Maria Bonita do espetáculo, o que é uma grande responsabilidade, representar a rainha do cangaço, a mulher do mais afamado bandoleiro do Brasil; o nosso espetáculo mostra não só a dança mais também um resumo do que foi esse movimento chamado cangaço e como os bandoleiros se divertiam nas caatingas após os combates”. Resume e acrescenta: “No grupo a tive a oportunidade de viajar o mundo, tive o prazer de participar de grandes festivais no Rio Grande do Sul, Venezuela, Teresina, Tocantins, e em muitos outros Estados desse imenso Brasil, além de circular por todas as cidades e distritos de Pernambuco”.
Na Fundação Cultural que é também Ponto de Cultura, ela aprendeu não só o Xaxado, mais vários outros ritmos de danças populares, como: Ciranda, Frevo, Coco de Roda, entre outros, se torna também coreógrafa e Professora desses ritmos, passando a ministrar oficinas e cursos em Escolas, Festivais, no Ponto de Cultura e no Serviço de Convivência, preparando grupos e apresentações com adolescentes atendidos por esses projetos. Conhece bem a história das danças e também do Cangaço e Lampião, atuando como recepcionista/guia no Museu do Cangaço, a artista está sempre se reciclando em capacitações e oficinas para melhorar e ampliar seus conhecimentos.
A menina/artista venceu as atribulações da infância e se tornou Mulher, dançarina, arte educadora, coreógrafa, mãe, esposa, além de outras atribuições que a vida vai lhe ensinado a desenvolver. Hoje é mãe de Alisson Guilherme e Maria Sophia; “eles são a minha vida e ao meu esposo Jefferson Lima, agradeço pelo apoio em minhas decisões e por está sempre a meu lado. Também, agradeço muito a Cléo e a Domá que carinhosamente chamo de pais pela pessoa que sou e que eles ajudaram a formar, fui incentivada a correr atrás de meus objetivos para conseguir vencer na vida, terminei o ensino médio e estou cursando a Faculdade de Serviço Social, isso por incentivo deles e de todos que fazem a Fundação Cultural Cabras de Lampião”. Relata categoricamente.

Ela se diz empolgada com essa busca pelo ensino superior, neste em que completa 16 anos que integra a FCCL; “sou coordenadora do Museu do Cangaço e estou no segundo mandato de 4 anos da diretoria executiva da Fundação como secretária e agradeço aos mentores pela confiança e por acreditarem no meu talento e capacidade, não é atoa que digo são minha família”.

segunda-feira, 20 de março de 2017

Mês das Mulheres: O legado cultural de Cleonice Maria para Serra Talhada

 


Se você percorre a cidade de Serra Talhada, com certeza já deve ter presenciado alguma apresentação artística do Grupo Cabras de Lampião não é mesmo? Pois bem, hoje o grupo comemora seus 22 anos de muitas histórias e muita estrada, mostrando o que há de bom na terra de Lampião, através da arte. Por todas as regiões do Brasil e em algumas cidades do exterior, esse grupo fantástico pode levar um pouquinho de cada um de nós, nordestinos e guerreiros.
Mas nada disso seria possível se não tivesse um Maria por trás. Um Maria como tantas outras. Mas uma Maria forte e sobrevivente. Sobrevivente da falta de oportunidade, sobrevivente do preconceito e sobrevivente da falta de incentivo.
CLEONICE MARIA DOS SANTOS
Filha do casal de pequenos agricultores Sr. Severino e Dona Anália, Cleonice iniciou a sua militância cultural muito jovem juntamente com seus irmãos Edvaldo e o saudoso Gilvan. Brincando de fazer teatro, esses três jovens foram provocados pelo padre da paróquia do Alto da Conceição a apresentarem um peça na igreja. Daí em diante, essa Maria guerreira nunca mais parou. A jovem humilde que nunca havia assistido a uma peça de teatro, tampouco estudado sobre o assunto, protagonizava cenas importantes na história da cultura de Serra Talhada.
Vários grupos de bairros diferentes foram se conhecendo, se misturando e se envolvendo nessa forma simples de fazer arte. Certo dia, Maria conheceu Domá, ou melhor, Anildomá Willans, um cara um pouco mais experiente em teatro, e quem Maria se deslumbraria, não só pela arte que Domá fazia, mas pelo sentimento de companheirismo e cumplicidade entre o casal. Crescente e forte a cada dia. Nascia então o Grupo de Xaxado Cabras de Lampião, hoje, a mais importante instituição cultural do município de Serra Talhada.

“O teatro sempre foi minha paixão. Lembro de inúmeras vezes, grávida, perto de ganhar neném, apresentando uma peça e as pessoas me questionando. Já com filho pequeno acompanhando o trabalho dos pais e a sociedade nos chamando de loucos, ‘como pode uma criança deste tamanho na rua essa hora’. Mas foi nossa decisão. Eu e Domá decidimos juntos que viveríamos de arte e foi o que fizemos a vida inteira. Sustentamos nossos filhos e mantemos nossa família com arte e deu certo”.
O mês de março é triplamente especial para essa Maria. É o mês da mulher, e ela se destaca, por fazer arte num lugar onde não se tinha oportunidades, onde a sociedade machista apontava outras realidades para as mulheres e Cleonice, com muita confiança no que fazia, mostrou que é possível sim, ser mulher, mãe, esposa e ser artista. No mês de março é comemorado seu aniversário e o mês de março comemoramos juntos o início das atividades da fundação Cabras de Lampião.
Cleonice tem uma longa folha de serviços prestados à cultura de Serra Talhada, como atriz, dançarina e coreografa do mais brilhante grupo de Xaxado de que se tem notícia. Atualmente, ela vem gerenciando a Fundação Cultural Cabras de Lampião – mostrando mais uma vez que mulher tem pulso forte sem “perder a ternura jamais” para cuidar e bem da grande estrutura que se tornou a fundação.
“Em toda a minha vida cultivei três grandes paixões. Minha família em primeiro lugar sempre, a Cultura como meu objetivo de vida e o Partido dos Trabalhadores – PT, como mecanismo de luta e solidariedade com as minorias”.
Cleonice encontrou tempo para se dedicar aos estudos e formou-se em História pela Faculdade de Formação de Professores de Serra Talhada, sendo aprovada com louvor. Diga-se que seu tempo sempre foi muito curto porque ser dona de casa, cuidar de marido, dois filhos e netos “não é mole” – como ela sempre diz.
Nossa homenagem de hoje é para essa mulher maravilhosa, que dedica seu tempo fazendo o que mais gosta – servir à cultura. Primeiramente Feliz dia das Mulheres, Feliz aniversário (12/03), e finalizamos dando os Parabéns à essa cangaceira da cultura pajeuzeira, Cleonice Maria, por comandar a Fundação Cabras de Lampião com tanta competência e dedicação, sempre com esse sorriso largo no rosto

terça-feira, 14 de março de 2017

AÇÃO INCENTIVA O EMPREENDEDORISMO DE ARTISTAS, ENTIDADES CULTURAIS E PONTOS DE CULTURA PERNAMBUCANOS

Boa notícia para os artistas, entidades culturais e Pontos de Cultura que desejam tirar dúvidas sobre editais – como o Funcultura – ou querem se capacitar melhor para a gestão e sustentabilidade de seus empreendimentos. O Programa Pernambuco Criativo vai iniciar as atividades do Birô de Negócios da Cultura nesta segunda-feira, 13 de março. Os interessados serão atendidos de segunda a sexta, das 13h às 17h, na Cela 304, situada no Raio Leste, 2º piso do Casa da Cultura.
As atividades ocorrem por meio de um convênio entre a Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe), a Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e o Ministério da Cultura (MinC). O atendimento será feito por estudantes de mestrado, com experiência no mercado, e o agendamento deve ser feito pelo e-mail pecriativofundarpe@gmail.com. Para a presidente da Fundarpe, Márcia Souto, “a ação resgata uma ideia que norteou a reforma da antiga Casa de Detenção, que era a criação de um centro de formação e apoio aos empreendimentos culturais”. Por meio do Programa Pernambuco Criativo, serão realizadas ainda oficinas, palestras e workshops com temáticas relacionadas às diferentes áreas da economia da cultura.
De acordo com o professor André Marques, da UFPE, “artistas e produtores poderão melhorar seu processo de gestão e capacidade empreendedora, recebendo orientações e/ou assessoramento. Por exemplo, vamos tirar dúvidas sobre a formalização de negócios, definição de preço dos produtos e tudo o que for mais relevante à atividade profissional do agente cultural”. Se houver necessidade, os interessados serão encaminhados para órgãos específicos, tais como SEBRAE, Junta Comercial, cartórios, instituições oficiais do Município ou do Estado.
O Birô também divulgará as oportunidades (editais, capacitações, formações) realizadas no campo da Cultura pelos parceiros institucionais da Secult-PE / Fundarpe e de outros  órgãos públicos e privados.
TERRITÓRIOS DE CRIAÇÃO

A proposta é tornar a Casa da Cultura o polo-âncora dos Territórios de Criação dos bairros da Boa Vista, São José e Santo Antônio (incluindo os Coelhos). “Existe no país e no mundo toda uma discussão sobre a requalificação dos centros urbanos. A cultura e os artistas sempre foram elementos indutores de revitalização desses espaços, por isso queremos ampliar a visibilidade a estes setores, que ainda hoje sofrem com um histórico de segregação”, afirma Marcelino Granja, Secretário Estadual de Cultura.

PONTOS DE CULTURA
Espaços de estímulo às ações culturais das comunidades, com inclusão social e cidadania, os Pontos de Cultura serão convidados para mais uma atividade do Programa Pernambuco Criativo: um serviço de assessoria técnica, com foco em gestão, modelos de negócios e orientação para a prestação de contas.

SERVIÇO
Birô de Negócios da Cultura – Programa Pernambuco Criativo na Casa da Cultura
Quando: Entre os dias 13 de março e 30 de junho, de segunda a sexta-feira, das 13h às 17h
Local: Casa da Cultura Luiz Gonzaga – Cela 304, Raio Leste, 2º piso – Santo Antônio – Recife
Informações: (81) 3184.3020 / pecriativofundarpe@gmail.com


Para Silvana Meireles, Secretária Executiva Estadual de Cultura, “estes territórios criativos são bem diversos e têm características, potencialidades e realidades culturais intensas, que queremos fortalecer, atrair e, dessa forma, consolidarmos a Casa da Cultura como um polo de formação e projeção dessas iniciativas”.
Os agentes culturais que são microempreendedores (MEI) também são público-alvo das ações.
“Este núcleo que estamos colocando na Casa da Cultura terá um forte papel inovador. Estamos começando uma pesquisa em parceria com a UFPE, no âmbito do convênio, para identificar o potencial de inovação dos Pontos de Cultura de Pernambuco. A partir disso, pela primeira vez, estes Pontos vão receber um suporte continuado para o desenvolvimento de suas competências criativas”, celebra a Gerente de Formação da Secult-PE, Tarciana Portella.
Fonte: CulturaPE

quinta-feira, 9 de março de 2017

A 22 NASCIA O GRUPO DE XAXADO CABRAS DE LAMPIÃO POR ONDE JÁ PASSOU DEZENAS DE JOVENS E TALENTOSOS DANÇARINOS


 
O Grupo de Xaxado Cabras de Lampião trouxe os cangaceiros para frente das luzes e o cangaço se transformou num espetáculo com uma nova e revolucionária imagem do rei do cangaço. Sua apresentação conduz o espectador a um mergulho na dança dos bandoleiros do sertão nordestino e mostra o talento de jovens serra-talhadenses em um ritmo marcado pelo chiado e arrastado da chinela. Jovens esses que aprendem no grupo não só a dança, mas informações gerais sobre a cidade, o fato história, a origem da dança, relação grupal e interpessoal e conhecimentos afins, são estimulados ao estudo/educação regular e a se profissionalizarem.   
Tendo acontecido sua estreia em 20 de março de 1995 no coreto da Praça Dr. Sérgio Magalhães, mais pesquisa, ensaios e uma ferrenha, porém necessária preparação se deu antes dessa data; o grupo tem musica ao vivo e é hoje o maior divulgador desse ritmo tão nordestino e que foi propagado por Lampião e seus cangaceiros, mantendo a originalidade e autenticidade conforme criada pelos bandoleiros do sertão; nesses 22 anos o grupo já percorreu todas as regiões do Brasil.
Xaxado dos Cabras de Lampião - O Xaxado (Patrimônio Cultural Imaterial de Pernambuco, de acordo com a Lei Estadual 13.776 publicada no Diário Oficial do Estado de Pernambuco em 26/09/2009) é uma dança de guerra e entretenimento criada pelos Cangaceiros de Lampião no inicio dos anos vinte, do século passado, em Vila Bella (atual Serra Talhada) e seus arredores. Ainda na época do Cangaço tornou-se popular em todos os bandos de Cangaceiros espalhados pelo nordeste.
Ao se registrar o grupo de danças se confira FUNDAÇÃO CULTURAL CABRAS DE LAMPIÃO que ora realiza grandes eventos no município e mantém o Museu do Cangaço que recebe visitantes e turistas de todas as partes do planeta em busca de conhecer melhor a fascinante história do cangaço, Lampião e seus feitos. O mês é de celebração da cultura popular, da arte e dos feitos desse bando da Cultura do Nordeste que com bravura defende o legado histórico, artístico e cultural desse pedaço da história do Brasil.




segunda-feira, 6 de março de 2017

200 ANOS DA REVOLUÇÃO PERNAMBUCANA


200 ANOS DA REVOLUÇÃO PERNAMBUCANA - 6 de março de 1817. A chamada
Revolução Pernambucana, também conhecida como Revolução dos Padres,
foi um movimento emancipacionista que eclodiu em 6 de março de 1817,
na então Capitania de Pernambuco, no Brasil.

AÇÃO CINECLUBISTA EM AFOGADOS DA INGAZEIRA

Divulgação
Uma nova opção de entretenimento tem levado a sétima arte até as crianças de Afogados da Ingazeira. Trata-se do Cineclubinho Pajeú, um projeto incentivado pelo Governo de Pernambuco, por meio do Funcultura, e que realiza sessões de cinema gratuitas com filmes infantis, no Cineteatro São José. O encontro foi neste domingo (5), às 17h.
Como se trata de um cineclube, os filmes selecionados não são os chamados comerciais, tradicionalmente exibidos em TVs ou lançados em DVDs. “São filmes nacionais, com temáticas instrutivas, pedagógicas, inclusivas, sempre voltados para a formação do público infantil”, explica a professora Veratânia Morais, da equipe do Cineclubinho. “Contamos ainda com auxílio de profissionais especializados nos momentos de apresentação e debates, a exemplo da psicóloga Dayseane Liberal, que esteve conosco em uma das primeiras sessões,” conclui.
De acordo com Dayseane Liberal, a escolha da programação e do local se deu como forma de suprir a demanda da agenda cultural infantil. “A programação é quase sempre voltada para o público adulto e exclusivamente noturna. Por isso, pensamos em suprir essa carência, valorizando este espaço cultural e disponibilizando alternativas de entretenimento educativo direcionada às crianças, por meio do projeto”, comenta a produtora cultural. Esta é a quinta sessão do ano, que se repetem nos primeiros e terceiros domingo de cada mês. A próxima está marcada para o dia 19 de março.
FONTE: culturape

quinta-feira, 2 de março de 2017

2º PRÊMIO ARIANO SUASSUNA DE CULTURA POPULAR E DRAMATURGIA RECEBE INSCRIÇÕES ATÉ O DIA 13 DE MARÇO

Em sua segunda edição, o Prêmio Ariano Suassuna de Cultura Popular e Dramaturgia vai destinar recursos na ordem de R$ 151 mil para incentivar a produção dramatúrgica de Pernambuco, por meio da publicação de textos inéditos, e estimular ainda a preservação das nossas expressões culturais mais populares.
Motivado pelo inestimável legado deixado por Ariano na cultura brasileira, o edital recebe inscrições de 02 de janeiro a 13 de março de 2017, e o resultado será anunciado em 16 de junho, data em que o mestre completaria 90 anos.
“A potência e a relevância do Prêmio já foram constatadas em sua primeira edição, que reconheceu propostas de diversas regiões do estado e premiou mestres, mestras, grupos e artistas que representam a base de formação da nossa identidade cultural”, comenta o Secretário Estadual de Cultura Marcelino Granja.
No campo da Cultura Popular, serão distribuídos até oito prêmios, que poderão somar um total de R$ 100 mil. O segmento está dividido em duas categorias: “Mestres e Mestras dos Saberes e Fazeres” e “Grupos/Comunidades”. Para cada categoria, estão previstos quatro prêmios, sendo um para cada macrorregião do Estado: Mata, Agreste, Sertão e Região Metropolitana do Recife. Na categoria Mestres e Mestras dos Saberes e Fazeres, os selecionados receberão premiação no valor de R$ 10 mil. Já na segunda categoria, os grupos e as comunidades serão contemplados com o valor de R$ 15 mil cada um, distribuídos entre as quatro macrorregiões.
Poderão concorrer mestres, grupos ou comunidades de Pernambuco. O prêmio será destinado a práticas já desenvolvidas e que valorizam a transmissão dos saberes e fazeres da cultura popular no estado. As inscrições deverão ser entregues na sede da Secult-PE/Fundarpe ou enviadas pelos Correios (Sedex).
Já no segmento de Dramaturgia, o prêmio está dividido nas categorias “Teatro Adulto”, “Teatro de Formas Animadas” e “Teatro Para Infância e Juventude”. Haverá até duas premiações para cada uma delas, sendo R$ 10 mil para os primeiros lugares e R$ 7 mil para os segundos lugares, totalizando R$ 51 mil. Cada proponente poderá participar com apenas um texto original, inédito, em língua portuguesa, não publicado e não encenado até o encerramento do certame.
Todas as candidaturas ao 2º Prêmio Ariano Suassuna serão analisadas por uma Comissão de Seleção, composta a partir de uma convocatória pública e nomeada em portaria conjunta da Secult-PE/Fundarpe.
Para a presidente da Fundarpe, Márcia Souto, “um dos trunfos do prêmio é o estímulo ao surgimento de novos textos para o teatro pernambucano, marcado pela força de sua produção e pelo talento de seus realizadores”.
A partir de janeiro, uma série de oficinas gratuitas vai apresentar o edital para artistas, produtores e grupos culturais das quatro macrorregiões do Estado.
Confira aqui o Edital e seus Anexos.
FONTE: culturape.com

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

MUSEU DO CANGAÇO CELEBRA 10 ANOS DE CRIAÇÃO EM 2017


Foi criado em Serra Talhada-PE A 10 anos o Museu do Cangaço/Centro de Estudos e Pesquisa do Cangaço (CEPEC). Um empreendimento que, de fato, chama a atenção de todos. Uma investida ousada da Fundação Cabras de Lampião. A cidade atrai uma grande quantidade de pessoas para ver o que se tem de alusivo a Lampião. E saem satisfeitos, pois encontram grupos de Xaxado, informações sobre o Sítio Passagem das Pedras (onde nasceu Lampião), onde oferecemos o “Passeio nas Pegadas de Lampião”.

É para os pesquisadores e amantes da história e da cultura que foi criado o MUSEU DO CANGAÇO/CEPEC. E é verdade. No que se refere ao acervo é um dos maiores do Brasil: são mais de duzentas fotografias, objetos da época, armas, etc. Para quem deseja se aprofundar nas informações é só agendar a visita.
Faz-se necessário para que se perpetuem as nossas origens históricas e culturais e que certamente favorecerão a produção de conceitos essenciais ao conhecimento, elevando o padrão cultural do nosso povo, ao reviver a grandeza da nossa história, promovendo a autoestima, primeiro passo para a cidadania.
No MUSEU DO CANGAÇO/CEPEC tem documentos – como bilhetes escritos pelo próprio punho de Lampião – uma razoável biblioteca com livros raros, teses de mestrados, monografias, versos de cordéis, laudos médicos e raio-x das cabeças dos cangaceiros quando decepadas pela polícia, matérias de jornais de várias épocas enfocando Lampião e o cangaço, fotografias, documentários em DVDs, uma sala de estudo e uma loja de artesanatos.

O MUSEU DO CANGAÇO/CEPEC está localizado na Vila Ferroviária S/Nº - centro de Serra Talhada. Horário de visitas: de segunda a sexta-feira: das 8:30 às 12h e das 14 às 17h
Nos finais de semana e feriados : quando agendados.
Mais informações : (87) 3831.3860 e (87) 9938 6035 ou pelo site : www.cabrasdelampiao.com.br


segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

MODESTO DE BARROS: 40 ANOS DEDICADOS À ARTE E A CULTURA BRASILEIRA



O carismático Modesto Lopes de Barros é daquelas pessoas sóbrias e de uma modéstia que beira ao extremo, além de uma timidez sem igual, no entanto têm talento artístico e é um exímio incentivador das manifestações culturais pulsantes em nosso meio.“Modesto de Barros é o meu nome artístico. Eu adotei esse nome quando fiz o meu registro profissional junto ao SATED-PE, já nos anos 1990”. Pontua ele.
Bom, a história de sua vida acredita, foi sempre irregular. E porque ele diz isso? “quando iniciei os estudos primários, que naquela época começava pela a carta de abc, a minha mãe, que só conhecia a citada carta foi quem me iniciou; passado algum tempo fui estudar na Fazenda Xiquexique com uma prima do meu pai para concluir a etapa dos estudos primários”. Ele ia e voltava para família que morava no sítio, nesta época eles em terras de seu Padrinho de Batismo, numa localidade chamada Estreito.
A seguir foi estudar com a Professora Lindalva, pessoa de muita sensibilidade e que o ajudou bastante. Em 1965 faz os preparativos para o curso ginasial e desta feita vai estudar na Escola Estadual Solidônio Leite com a professora Luzia Magalhães, com a qual tem um enorme carinho. “Dona Luzia Magalhães foi paciente e amorosa comigo porque eu já havia passado do tempo de estar na classe dela por causa de minha idade”. Recorda ele.
No final de 1965 faz provas e vou estudar no então – Ginásio Industrial Cel. Cornélio Soares e é lá que tem o primeiro contato “indireto” com a arte de representar (teatro). “Digo indireto porque eu nunca havia visto algo do gênero. Foi uma coisa inexplicável assistir aquele drama, como se falava naqueles tempos. É bom lembrar que os dramas foram muitas vezes apresentados em nossa cidade e na zona rural, mais dada as condições da minha família nunca tive a possibilidade de assistir essas “coisas” como se diziam”. Relata Barros com olhar saudoso.
Sua reação foi de completo deslumbramento e acabou por colocar na cabeça que um dia eu ia fazer esse tipo de atividade. Em 1968, sai de Serra Talhada com 20 anos de idade e foi morar com uma tia em São Paulo. Lá, como todo nordestino, enfrentou inúmeras dificuldades até de certa forma me fixar e acostumar com a vida na cidade grande; “posso afirmar que naquela época, o clima paulistano era muito pesado do ponto de vista político. Estávamos em plena ditadura militar, cujo slogan era “Ame ou deixe-o”. Fui trabalhar no Citibank, uma organização americana e internacionalmente conhecida no mundo financeiro”. Comenta e acrescenta: “Lá, posso afirmar que pude ter uma vida culturalmente intensa e aproveitar tudo de bom que o banco oferecia aos seus funcionários. O lado bom era que mesmo com as limitações decorrentes daquele momento político havia a possibilidade de estarmos em exposições de artes, recitais poéticos, musicais e enfim participar da vida cultural da capital paulista”. Afirma Modesto. Ali viveu momentos espetaculares que serviram para depurar seus conhecimentos pela na arte e na cultura em definitivo.
Ele segue relembrando sua história, “em 1976, certa manhã de um sábado eu ligo, a TV, casualmente, sintonizei na Gazeta, a qual pertence a Fundação Casper Libero, e, estava sendo entrevistada a atriz Berta Zemel. E ela falava que na próxima semana iniciava-se mais uma edição do seu curso de formação teatral na Casa de Cultura de Israel”. Essa foi a senha para que ele pudesse finalmente iniciar sua carreira na arte da representação. Na segunda-feira, quando terminou o expediente no banco saiu às pressas para fazer a inscrição no curso da conhecida atriz Berta Zemel.
“Lá, tomei minhas primeiras lições de ator. No curso de Berta e seu esposo Wolney de Assis, fiquei de 1976 até 1978. Sendo que em 1977, fui (paralelamente) fazer a Escola Macunaíma de Teatro, cuja direção era naquela época do grande ator Sylvio Zilber”. Recorda. E segue... “Considero que as duas escolas foram de vital importância na criação da minha consciência artística e levo-as para sempre em minha vida. O que lamento é não ter tido condições de seguir a minha carreira com regularidade, como mencionei acima, a minha vida tem sempre esses altos e baixos, que é comum na existência humana.”
Modesto fez a peça de conclusão do Curso em São Paulo em 1977 e de lá, para cá, lamenta ter atuado pouco no teatro, mas, o que faz considera importante para o seu engrandecimento artístico e dessa maneira têm contribuído com nossa cultura e vê isso como sendo sua missão. Em 1988 volto para Serra Talhada. E em 1989, no dia 01 de janeiro, funda, juntamente com: Maria das Neves (sua prima), Edinaldo Cordeiro, Neide Cordeiro, Elizabeth Rodrigues e mais outros companheiros residentes no Bairro Bom Jesus o Centro Dramático Pajeú de Serra Talhada–PE, atualmente Ponto de Cultura e que acaba de completar 28 anos de atividades ininterruptas no município.
A peça de estreia foi - B... Em Cadeira de Rodas que foi remontada por ele 1999; “não posso desassociar o Centro Dramático da minha vida, cuja dedicação é inconteste, procuro conciliar outra área de atuação que é a causa da criança e do adolescente. Por isso, tanto na cultura, quanto na área da infância procuro dá o melhor da minha vida”. Pontua o nosso entrevistado e continua... “Sou grato a todos os meus familiares e amigos que sempre me deram o maior apoio. Não teria sentido viver, após a descoberta, ainda no drama que presenciei na Escola Cornélio Soares, sem os incentivos e apoios recebidos das pessoas”.

Além da peça citada, nesses 40 anos de trajetória ele participou, dirigiu e atuou em – O Circo Rataplan - 1992;Enfim só, Solidão: a comédia! - 2005; O Rapto das Cebolinhas – 2005;Réquiem – 2007; recitais poéticos e incentivou alguns espetáculos montados por este que vos escreve; além de criar e manter o Cine Clube Pajeú e ações formativas no Ponto de Cultura CDPST. “Viver de arte é complicado, mais eu tenho a honra de afirmar que vivo – profissionalmente – de tudo que dela aprendi. São 40 anos de muita perseverança, renuncia e acima de tudo vontade e amor. Hoje, faço parte com muita honra do movimento cultural e artístico do meu município e do nosso estado de Pernambuco, ocupando o Conselho de Politica Cultural, de Pernambuco e também de Serra Talhada”.

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

NOVE DE FEVEREIRO DIA DO FREVO

 Dia do Frevo

Hoje comemoramos o Dia do Frevo! O frevo é um ritmo próprio de Pernambuco, sendo considerado uma das maiores manifestações culturais do Estado. Sua denominação faz referência à fervura e, na imprensa, foi utilizada pela primeira vez em 1908.
A dança mistura marcha, maxixe e, no seu princípio, capoeiristas dançavam a frente dos desfiles para proteger os músicos do povo e abrir passagem. Pode-se afirmar que o frevo é uma criação de compositores de música ligeira, feita para o carnaval. A coreografia é composta pelo rápido movimento de pernas que se dobram e estiram.
Hoje o frevo faz parte da cultura brasileira e é marco do carnaval pernambucano, especialmente em Olinda e Recife. É impossível ir a um carnaval em Pernambuco e não se apaixonar pelo ritmo.

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

ESCOLA MUNICIPAL DE ARTES COM INSCRIÇÕES ABERTAS

Vamos começar essa segunda-feira com pensamento positivo e inovando nos projetos? Que tal então investir em cursos na área da Pintura, Corte e Costura? A Escola de Artes de Serra Talhada, Antônia Pereira de Souza, está com matrículas abertas para vários cursos, alguns pagos e outros gratuitos.
As inscrições acontecem no prédio da escola, de segunda a sexta, das 7h30 às 12h, na Rua Enock Inácio de Oliveira, S/N, 1º andar, em cima do mercado público municipal.
Entre os cursos grátis estão: Corte e Costura (vestuário); Patchapliquê; Pintura em Tecido; Pintura em Tela; Boneca de Feltro; Labitinto; Capitonê; Fuxico; Vagonite; Crochê. Já os cursos pagos são: Flor de fita; Xadrez; Tapeçaria; Ponto Cruz;Bordando a mão (ponto cheio); Ponto reto; Handanger; Trançado em fita, corte e costura (cama, mesa e banho).
FONTE: blogdarochannyrocha

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

CAPACITAÇÃO DO FUNCULTURA 2016/2017

A Fundação Cultural de Serra Talhada convida artistas, produtores e interessados em conseguir patrocínio do FUNCULTURA para Projetos Culturais pra participarem da Capacitação do FUNCULTURA 2016/2017, que se realizará nos dias 06 e 07 de fevereiro, próxima segunda e terça feiras, das 08 as 12 e das 14 as 17 horas, no MUSEU DO CANGAÇO corresponde à oficinas realizadas em todas as regiões do Estado, ministradas por Produtores Culturais com consagração na aprovação de projetos no FUNCULTURA.
1º Momento: Oficina de Elaboração de Projetos
Carga Horária: 8h / Horário: das 8h às 12h e das 14h às 18h

2° Momento: Apresentação do Edital Funcultura Geral 2016
Carga horária: 4h / Horário: das 14h às 18h

Nesta oficina o foco e o público prioritário são os produtores culturais sem experiência em elaboração de projetos.

Os conteúdos a serem trabalhados serão de ordem mais prática, realizando o percurso de elaboração de um projeto ao longo do dia de atividade, em conjunto com o grupo de artistas/produtores. A atividade terá um caráter colaborativo, facilitando a construção do conhecimento através do percurso prático empreendido. Após esta etapa poderá ser promovida uma interação com os diferentes projetos elaborados nos grupo, onde, no momento, a turma poderá exercitar um processo de consultoria com o facilitador. O projeto será elaborado dentro do formulário do Funcultura Geral 2016, oferecido na capacitação para realização do exercício acima descrito.
FUNCULTURA - Por meio de editais de seleção pública, lançados anualmente, o Funcultura possibilita que produtores e artistas recebam recursos diretamente do Governo do Estado de Pernambuco para realizar projetos nas mais diversas linguagens artísticas e áreas culturais: Artesanato; Artes cênicas – Teatro, Dança, Circo, Ópera; Artes integradas; Artes plásticas, gráficas e congêneres; Audiovisual; Cultura popular; Fotografia; Formação; Gastronomia; Literatura; Música; Pesquisa cultural; e Patrimônio.

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

VIAGEM AO PASSADO: IMAGENS DA ANTIGA ESTAÇÃO FERROVIÁRIA DE SERRA TALHADA

Fonte: Blog professorPauloCésarGomes  

A foto acima é do final da Rua Comandante Superior, possivelmente do ano 1958. O registro indica que as pessoas estavam voltando da Estação Ferroviária indo em direção ao centro da cidade.

Hoje nesse trecho da rua funciona de um lado o restaurante de Plínio e do outro o depósito da Tupan Construções.

Um ano antes, em 7 de fevereiro de 1957, os serra-talhadenses lotaram o pátio da Estação para presenciar a chegada do primeiro trem a Capital do Xaxado. Foi uma festa. Afinal, era o progresso chegando a Serra Talhada pelos trilhos da ferrovia. São boas lembranças nessa volta ao passado.


quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

PREFEITO SOLICITA IMPLANTAÇÃO DE CURSOS NA ÁREA DE AUDIOVISUAL PARA SERRA TALHADA

Formação profissional


Aproveitando a presença da reitora do Instituto Federal do Sertão Pernambucano, Maria Leopoldina Camelo, em Serra Talhada, nesta segunda-feira (30), o prefeito Luciano Duque solicitou ao instituto a implantação de cursos profissionalizantes na unidade na área de audiovisual, visando fortalecer o seguimento no município.

“Em breve implantaremos aqui em Serra Talhada a primeira Televisão Digital Pública Municipal do Brasil e precisamos capacitar profissionais para atuar na área, por isso, pedimos que o Instituto Federal disponibilize cursos especializados em áudio e vídeo para fortalecer o seguimento e preparar pessoas aptas para atender essa demanda a partir da implantação da TV”, explicou Luciano Duque, já visando profissionais para atuarem na TV que passará a funcionar em breve na Capital do Xaxado.
fonte: serratalhada.org