Vídeos

Loading...

terça-feira, 27 de setembro de 2011

SÁBADO E DOMINGO TEM TEATRO NO MUSEU DO CANGAÇO

Será neste sábado e domingo!!!
O Centro de Criação Galpão das Artes / Pontinho de Cultura, da cidade de Limoeiro, desembarca em Serra Talhada com dois belíssimos espetáculos de teatro para fazer o público de todas as idades se deliciarem com o que há de melhor na dramartugia pernambucana. Trata-se do texto de ARIANO SUASSUNA, sucesso no mundo inteiro – A INCONVENIÊNCIA DE TER CORAGEM e MANÉ GOSTOSO, da dramaturga ELITA FERREIRA.

Resumo de A INCONVENIÊNCIA DE TER CORAGEM -         O mote do espetáculo é bastante original. O provérbio bem que se encaixa : " o mundo é dos mais espertos . " BENEDITO para conquistar MARIETA trama com seu comparsa PEDRO dar brincos e anel, usando os valentões de Taperoá que também a desejam. Seu plano funciona até quando desmoraliza os valentes VICENTÃO e o CABO ROSINHA. Por conseguinte, o destino se encarrega de desfazer tudo. Sendo BENEDITO traído no final pelo próprio PEDRO, com quem arquitetou e executou a trama . Provando assim, a inconveniência da coragem em supremacia à esperteza e a astúcia, enquanto plano arquitetado pelo mais interessado, o negro esperto e sambudo chamado BENEDITO.
Direção: Fábio André.
Data: Dia 1º de outubro/11 (sábado).
Local: MUSEU DO CANGAÇO
Hora: 20 horas.

Resumo de MANÉ GOSTOSO - A história gira em torno de um dono de circo chamado seu Neco que ao lado de sua esposa dona Lucrécia promoviam a alegria da criançada daquele lugar. E a maior atração do circo era o Mané Gostoso que encantava mais que os palhaços do circo. Seu Neco era um homem criativo e muito dedicado ao seu circo. Quando certa vez, a presença de um estranho criou um incômodo para todos. Um homem de aparência bizonha e bizarra rouba a maior atração do circo: Mané Gostoso. Até que seu Neco foi a delegacia chorando de tanto desgosto pelo súbito desaparecimento. As crianças também tomaram conhecimento e juntaram-se ao delegado na busca do brinquedo. E juntos encontram numa hospedaria o estranho homem e o Mané Gostoso. Que ao ver seu Neco ao lado das crianças saltou em alegria ao perceber que estava livre das mãos daquele homem estranho.
Direção: Fábio André.
Data: Dia 02 de outubro/11 (domingo)
Local: MUSEU DO CANGAÇO
Hora: 5 da tarde

terça-feira, 20 de setembro de 2011

SERRA TALHADA AGORA TEM O CONSELHO MUNICIPAL DE TURISMO

Objetivando programar a política municipal de Turismo com base em seu potencial turístico, através de discussões com representantes de diversos setores ligados ao turismo, a Prefeitura Municipal de Serra Talhada, através da sua Secretaria de Desporto, Turismo, Cultura e Lazer, realizou no dia 15 de setembro a posse do Conselho Municipal de Turismo de Serra Talhada, ficando a Diretoria Executiva assim formada: presidente, Nailson Gomes da Silva (Secretário de Desporto, Turismo, Cultura e Lazer); como vice-presidenta,  a Cleonice Maria dos Santos (Presidente da Fundação Cabras de Lampião) e para assumir o cargo de Secretária Executiva, Nilvânia Plácida Oliveira (Gestora da Pousada Frontal da Serra). O Conselho Municipal de Turismo é paritário, formado por dez conselheristas.

terça-feira, 13 de setembro de 2011

TEATRO EM SERRA TALHADA

O Centro de Criação Galpão das Artes / Pontinho de Cultura, da cidade de Limoeiro, desembarca em Serra Talhada com dois belíssimos espetáculos de teatro para fazer o público de todas as idades se deliciarem com o que há de melhor na dramartugia pernambucana. Trata-se do texto de ARIANO SUASSUNA, sucesso no mundo inteiro – A INCONVENIÊNCIA DE TER CORAGEM e MANÉ GOSTOSO, da dramaturga ELITA FERREIRA.

Resumo de A INCONVENIÊNCIA DE TER CORAGEM -         O mote do espetáculo é bastante original. O provérbio bem que se encaixa : " o mundo é dos mais espertos . " BENEDITO para conquistar MARIETA trama com seu comparsa PEDRO dar brincos e anel, usando os valentões de Taperoá que também a desejam. Seu plano funciona até quando desmoraliza os valentes VICENTÃO e o CABO ROSINHA. Por conseguinte, o destino se encarrega de desfazer tudo. Sendo BENEDITO traído no final pelo próprio PEDRO, com quem arquitetou e executou a trama . Provando assim, a inconveniência da coragem em supremacia à esperteza e a astúcia, enquanto plano arquitetado pelo mais interessado, o negro esperto e sambudo chamado BENEDITO.
Direção: Fábio André.
Data: Dia 1º de outubro/11 (sábado).
Local: MUSEU DO CANGAÇO
Hora: 20 horas.
Resumo de MANÉ GOSTOSO - A história gira em torno de um dono de circo chamado seu Neco que ao lado de sua esposa dona Lucrécia promoviam a alegria da criançada daquele lugar. E a maior atração do circo era o Mané Gostoso que encantava mais que os palhaços do circo. Seu Neco era um homem criativo e muito dedicado ao seu circo. Quando certa vez, a presença de um estranho criou um incômodo para todos. Um homem de aparência bizonha e bizarra rouba a maior atração do circo: Mané Gostoso. Até que seu Neco foi a delegacia chorando de tanto desgosto pelo súbito desaparecimento. As crianças também tomaram conhecimento e juntaram-se ao delegado na busca do brinquedo. E juntos encontram numa hospedaria o estranho homem e o Mané Gostoso. Que ao ver seu Neco ao lado das crianças saltou em alegria ao perceber que estava livre das mãos daquele homem estranho.
Direção: Fábio André.
Data: Dia 02 de outubro/11 (domingo)
Local: MUSEU DO CANGAÇO
Hora: 5 da tarde.




SERTÃO DO MOXOTÓ

FESTIVAL PERNAMBUCO NAÇÃO CULTURAL – SERTÃO DO MOXOTÓ
Ocorreu, no dia, 12/09, no Gabinete do Secretário de Cultura, Fernando Duarte, reunião para esclarecimentos acerca da realização do Festival Pernambuco Nação Cultural – FPNC na Região de Desenvolvimento do Sertão do Moxotó. Estiveram presentes ao encontro, além do Secretário, o Diretor Executivo da Secretaria de Cultura, Vinicius Carvalho, o músico Cacau Arcoverde, a Produtora do Coco Raízes de Arcoverde, Laíse Souza, e o Presidente do COCAR, Kleber Araújo.
Fernando Duarte ressaltou que o FPNC tem como pressuposto a descentralização das atividades e a valorização da cultura local. Quando questionado acerca da realização do evento na semana seguinte ao Festival Lula Calixto, promovido pelo Coco Raízes de Arcoverde, o Secretário esclareceu que não havia outra data viável dentro do cronograma da Secretaria, mas que esse problema poderia ser contornado montando-se a programação do FPNC, na medida do possível, de forma complementar ao Festival Lula Calixto, além de que, Arcoverde seria contemplado com duas semanas de eventos culturais, que abrigarão as mais diversas linguagens culturais, o que é bastante desejável. Por outro lado, afirmou Fernando Duarte, o FPNC não estará circunscrito apenas ao Município de Arcoverde, mas ocorrerá simultaneamente em Sertânia, Ibimirim, Custódia, Betânia, Ibimirim, e Manari.
O Pernambuco Nação Cultural ocorrerá no período de 15 a 19 de novembro e é a primeira vez que acontece no Moxotó, sendo essa uma antiga reivindicação da comunidade cultural da Região. Durante uma semana serão realizadas, nos sete municípios integrantes dessa Região de Desenvolvimento, oficinas, exposições, palestras, shows musicais, atividades de capacitação, etc.
Anunciou-se ainda que em breve será convocada reunião com integrantes da comunidade cultural da Região e com representantes dos Governos Municipais para apresentação do modelo que servirá de referência para montagem da grade de programação do evento, sendo importante que os principais atores do processo (artistas, produtores e Poder Público) preparem sugestões de atividades que pretendam ver incluídos no FPNC.
(Fonte: Coletivo Cultural de Arcoverde – COCAR)

NOTAS CURTAS

Programação Cultural dos Centros BNB - O banco do Nordeste do Brasil (BNB) lançou edital para seleção de propostas artísticas para participação na programação de 2012 dos Centros Culturais de Fortaleza, Cariri (CE) e Souza (PB). Os interessados em participar da iniciativa podem se inscrever em oficinas, que serão realizadas até 28 de setembro em cada uma das unidades previstas no edital. As inscrições estão divididas nas áreas de artes cênicas, artes visuais, literatura, música, atividades culturais infantis, curso de apreciação de arte, oficinas de formação artística, manifestações artísticas de tradição cultural nordestina e Novas Idéias.   
Festival Goiamum Audiovisual  - Estão abertas, até 25 de setembro, a inscrição de curta metragens no V Festival Goiamum Audiovisual. O evento disponibiliza participação de obras nacionais na Mostra Curta Goiamum, de caráter competitivo, e de filmes potiguares na Mostra Desentoca, não competitivo. O Goiamum Audiovisual será realizado de 03 a 08 de outubro, em Natal (RN).  Mais informações: http://www.goiamumaudiovisual.org.br/
II Seminário Internacional de Políticas Culturais - A segunda edição do Seminário Internacional de Políticas Culturais será realizado nos dias 21,22 e 23 de setembro na Fundação Casa de Rui Barbosa, localizada na Rua São Clemente 134, Botafogo, Rio de Janeiro, das 9h às 20h. A iniciativa tem como objetivo divulgar trabalhos, promover debates no campo das ações políticas, das reflexões históricas, teóricas e de práticas. As inscrições poderão ser feitas pelo e-mail: politica.cultural@rb.gov.br ou pelo telefone: (21) 3284-4636.
Concurso de Fotografia - O Concurso de Fotografia, promovido pela revista Nil está com inscrições abertas até o dia 16 de setembro. A iniciativa, que visa incentivar a carreira de artistas fotógrafos e proporcionar meios de divulgação do trabalho dos mesmos, é voltada para seleção de trabalhos de artistas ou coletivos, brasileiros ou estrangeiros residentes no país há pelo menos dois anos, e deverão ser feitas via correio. O tema do concurso desse ano será “Sutileza”, propondo uma reflexão sobre a contemporaneidade.  
I Encontro Funarte de Políticas para as Artes - As inscrições para apresentação de trabalhos para o I Encontro Funarte de Políticas para as Artes estão abertas até o dia 19 de setembro. A iniciativa, que tem como objetivo promover o diálogo qualificado em torno das políticas empreendidas para as artes no país, será realizado entre os dias 8 e 10 de novembro, no Palácio Gustavo Capanema, no Rio de Janeiro. O evento será aberto ao público e as inscrições dos trabalhos poderão ser deitas exclusivamente através do e-mail cepin@funarte.gov.br
Festival Sertanejo de Poesia - Estão abertas as inscrições para a XVII edição do Festival Sertanejo de Poesia, prêmio Augusto dos Anjos, até o dia 12 de novembro. O evento visa apoiar e divulgar a poesia brasileira, sendo responsável por um dos maiores intercâmbios culturais entre os Sertões brasileiros. As inscrições são gratuitas e poderão ser feitas via e-mail ( feserp@ig.com.br), pessoalmente, ou pelos correios no Ponto de Cultura Casa da Cultura Antonio Nóbrega. Para mais informações acesse:  http://www.acauaproducoes.com.br/
Festival Cultura Digital.Br - Estão abertas, até 30 de setembro, as inscrições para chamadas de atividades na terceira edição do Festival CulturaDigital.Br. O evento será realizado de 02 a 04 de dezembro, na cidade do Rio de Janeiro, disponibilizando palestras, debates, encontros, atividades mão na massa, exibições e performances artísticas. Acesse: http://culturadigital.org.br/
Economia Criativa -  A titular da Secretaria de Economia Criativa (em estruturação) do Ministério da Cultura, Cláudia Leitão, anunciou a implantação do primeiro piloto, no Nordeste, do Projeto Criativa Birô, na cidade do Recife. A idéia é que até o final de 2011 estejam em funcionamento pelo menos um Criativa Birô em cada região do país.
Literatura de Cordel em Caruaru - No mês de outubro, a cidade de Caruaru sedia dois eventos sobre Literatura de Cordel. No dia 14, às 20h, será realizado o 2º Concurso Nacional de Literatura de Cordel. No dia seguinte, às 16h, acontece a Plenária Mensal da Academia Brasileira de Literatura de Cordel (ABLC). As atividades são realizadas pela ABLC e pela Academia Caruaruense de Literatura de Cordel. Confira: www.acordacordel.blogspot.com 
(Fonte: Boletim da Representação Nordeste / MINC).

LITERATURA SERTANEJA

JORNADA LITERÁRIA - Dentro da programação da JORNADA LITERÁRIA PORTAL DO SERTÃO 2011, será realizado uma Mesa Redonda  - CONVERSA DE ESCRITOR :DIÁLOGO NA DIFERENÇA – com a  participação de WELLINGTON DE MELO e escritores das cidades de Garanhuns, Triunfo, Sertânia, Salgueiro, Lagoa Grande, Serra Talhada, Arcoverde, Afogados da Ingazeira e São José do Egito. De Serra Talhada confirmam-se as presenças de DIERSON RIBEIRO (Poeta e Presidente da Academia Serra Talhadense de Letras) e de ANILDOMÁ WILLANS DE SOUZA (pesquisador e escritor do cangaço, autor de vários livros e membro da Fundação Cultural Cabras de Lampião). Será em Arcoverde, dia 15 de setembro/11 (sábado),  no SESC, das 14 às 18 horas.

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

SILVÉRIO PESSOA NA TERRA DE LAMPIÃO

Silvério Pessoa, uma das grandes expressões da MPB, presenteou o MUSEU DO CANGAÇO com sua visita, também no dia 8 de setembro/11, poucos minutos antes da saída de Daniela Mercury. Parecia até que o GRUPO DE XAXADO CABRAS DE LAMPIÃO reservou o dia de Nossa Senhora da Penha para receber grandes estrelas.


Silvério Pessoa nasceu na cidade de Carpina, zona da mata norte do estado de Pernambuco.
Iniciou sua carreira na banda Elfos, mas ganhou projeção nacional com o Cascabulho em 1994, com a qual fez turnês por Canadá, Estados Unidos da América e Alemanha. Em 2001, após sair da banda, desenvolveu um CD baseado na obra do cantador alagoano Jacinto Silva, chamado Bate o Mancá - O Povo dos Canaviais. Valeu a visita, cara!

DANIELA MERCURY NO MUSEU DO CANGAÇO


No último dia 08 de setembro/11, em pleno dia da padroeiria de Serra Talhada, no clima da Festa de Setembro, o GRUPO DE XAXADO CABRAS DE LAMPIÃO recebe a visita de DANIELA MERCURY nas dependências do MUSEU DO CANGAÇO.
A estrela nacional brilhou no palco de eventos na noite anterior, mas no dia seguinte, se rendeu a força da cultura da cidade. Radiante na simpatia fez questão de lembrar sua admiração pelo cangaço, “fiz a Maria Bonita no primeiro capítulo da novela MANDACARÚ”, lembrou  a cantora  “e foi a partir daí que cresceu meu fascínio pela Rainha do Cangaço, que é baiana como eu”, arremata a conversa sorrindo, pousando ao lado dos dançarinos e alunos do Ponto de Cultura Cabras de Lampião.

ZABELÊ, DE VILLA BELLA

Quando eu era menino, que vivia dando cangapé no rio Pajeu, via passar todos os dias, no rematar da tarde, um velho corcunda, levando nos ombros, um feixe de capim. E as pessoas diziam que ele era daquele jeito por que carregou Lampião nas costas.
Quando me tornei adolescente, já interessado pelas coisas do cangaço, vasculhei a vida daquele senhor e encontrei, na verdade, Isaias Vieira dos Santos, da fazenda Saco e Xiquexique, em Vila Bella, que nunca levou ninguém nos ombros, apenas adquirira, com a chegada da idade, um mal na coluna, mas que fora, nas fileiras lampiônicas, o cangaceiro Zabelê.
            Com a generosa contribuição do amigo Antonio Amaury, que o entrevistou na década de setenta, exatamente em janeiro de 1971, Dona Nega e Seu Benedito - ambos filhos do saudoso Zabelê, que ainda residem em Serra Talhada, gozam de uma memória maravilhosa, com quem conversei vários dias -  colhi mais algumas informações para enriquecer este capítulo.
            No pino do sol de meio-dia, no dia 12 de novembro de 1925, um coiteiro saiu de sua casa para levar o de-comer dos cangaceiros que estavam arranchados no curral da fazenda.
            A conversa ia e vinha alheia a tudo, sem a mínima chance de alguém importuná-la, era um coito seguro.
            O coiteiro Isaias há muito tempo vinha prestando serviços aos cangaceiros : trazendo comida, informações e servia de ponto de apoio entre Lampião e os fornecedores de armas.
Ultimamente Lampião alertava o amigo :
            “- Isaias, a macacada tá cabreira que você é da minha confiança, é melhor  se juntar à gente em definitivo e viver morando debaixo do céu aberto, na vida da espingarda!”
            A resposta justificava:
            “- Num é certo, Lampião. Ajudar ao amigo eu posso e não conheço nada pra mim fazer  ter medo, quanto mais  de macaco. Mas tenho minha família pra dar conta.”
            O jovem Isaias, com apenas 29 anos, era casado com  Maria Benedita de Lima e tinha os seguintes filhos, do mais velho pra o mais novo:Manoel Vieira (Neco Véio), Cecília Vieira, Jovina Vitorino de Lima, Benedito Vieira dos Santos e Joaquim Vieira.
            Os quinze homens que compunha o bando naqueles dias estavam gozando de um certo sossego.
            Sorrateiramente a volante de Nazaré cercou a casa do protetor, dominou a todos e entraram em interrogatório com seus familiares.
            As perguntas eram feitas em tom de voz normal e as respostas eram quase aos gritos, para chamar a atenção dos cangaceiros que estavam no curral com o parente deles.
            Desconfiaram do artifício e quando deram fé, olharam pros lados e lá iam os cabras em disparada.
            A volante, comandada por Euclídes Flor, Manoel Flor e Davi Jurubeba, abriu fogo, travando forte tiroteio.
            A estas alturas Isaias havia recebido uma arma e reforçava a defesa.
            Bateram em retirada por um buraco na cerca.
            Resultou em dois cangaceiros sem vida e um ferido, o Cancão.
            Da volante morreu Ildefonso de Sousa Ferraz.
            A partir deste dia, Isaias Vieira, que não queria ser cangaceiro, mas, como diz o ditado, “quem mexe com fogo acaba se queimando”, não teve outra alternativa, entrou na peleja, pôs as cartucheiras cruzadas no tórax, quebrou o chapéu na testa e   passou a se chamar Zabelê.
            No período de pouco mais de um ano que ficou no cangaço, circulava pelos sub grupos de Jararaca, Sabino e Antonio Ferreira, participando bravamente de grandes combates e momentos importantes ao lado de Lampião.
            Somente para citar algumas destas passagens:
            Do memorável tiroteio da Serra Grande, em Vila Bella. Sendo considerado o maior da história do cangaço. Na ocasião eram sessenta cangaceiros enfrentando quase quatrocentos homens, entre militares e civis.
            Era um dos que foi a  Juazeiro, Ceará, quando Lampião entrou triunfalmente na cidade para receber a patente de capitão do Exército Patriótico pra combater a Coluna Prestes. 
Presenciou o tiroteio da Tapera dos Gilo, próximo a Floresta, quando Lampião constatou a covardia do Horácio Grande (Horácio Cavalcanti de Albuquerque, da família Novaes).
Foi assim:
Horácio escreveu uma carta cheia de desaforos  pra Lampião, mas pondo a assinatura do Manoel Gilo. Na primeira oportunidade Lampião invadiu a fazenda Tapera, travaram um tiroteio, e Manoel Gilo, ao cair prisioneiro por falta de munição pra sustentar a brigada por muito tempo, declarou-se inocente, começando a travar um diálogo com os cangaceiros. Mas nas primeiras palavras o Horácio interrompeu a conversação, atirando na cabeça do Manoel Gilo. Naturalmente pra não ser revelado que ele era o verdadeiro autor da missiva.
Essa morte aconteceu em 26 de agosto de 1926.
Aqui quero abrir um parêntese para registrar que por essa época o cangaceiro João Gavião era um dos braços direito de Lampião. E que essa história vivida na Tapera é muito bem contada por seu  sobrinho , nosso amigo Cristóvão Pereira Valões. 
Na trágica morte por acidente de Antonio Ferreira, em Poço do Ferro. Zabelê proseava com Lampião na Serra Negra quando este recebeu a notícia trazida por dois positivos.
Estava na linha de frente nas refregas contra os nazarenos e dezenas de outros confrontos pelo sertão de Pernambuco, Paraíba, Ceará e Alagoas.
Certo dia, no primeiro trimestre de 1927, aconselhado pelos parentes e amigos,  Zabelê e o amigo do cangaço João Gavião chegam tranqüilamente em Vila Bella e vão procurar o chefe de polícia, e mediante o argumento de que seriam soltos em seguida, pelo fato de terem se entregado de livre e espontânea vontade, aceitaram serem  presos.
Qual nada.
João Gavião  foi acobertado por alguns membros da família, ganhando logo a liberdade. Mas Zabelê foi julgado e pegou noventa anos de prisão.
Encaminharam para Casa de Detenção no Recife.
Quinze anos depois, em 1942,  já findo o cangaço, Agamenon Magalhães, filho de Vila Bella, era o  governador do Estado de Pernambuco e veio participar de uma solenidade de inauguração de uma usina de beneficiar algodão na Fazenda Saco,junto ao XiqueXique, quando um certo roceiro com cara de doido, aproximou da comitiva governamental, gritando:
“-Agamenon, solte meu pai! Agamenon, solte meu pai!”
Os presentes afastaram o importuno, que continuava esturrando em apelos.
O Chefe do Executivo perguntou a um dos convidados que estava ao seu lado:
“- Quem é esse? Quem é o pai dele?”
Informaram tratar-se de um débio mental, que atendia pelo apelido de Neco Véio, filho do ex-cangaceiro Zabelê, que cumpria pena na Casa de Detenção, na capital.
Olha, se a gritaria do rapaz surtiu efeito, não se sabe. Mas que duas semanas depois o velho ex-cabra de Lampião estava em Vila Bella, saboreando sua liberdade, isto é um fato.
Isaias Vieira dos Santos nasceu no dia 20 de outubro de 1896 e faleceu no dia 10 de fevereiro de 1978, em Serra Talhada.
Como uma história puxa outra, Neco Véio, perambulava pelas ruas de Serra Talhada pedindo comida aos generosos habitantes sem importunar ninguém. No entanto, quando encontrava um bêbado caído nas calçadas, com seus músculos fortes, jogava nas costas e dizia levá-lo pra casa, que não admitia ver uma pessoa nesse estado de tristeza e abandono, dormindo ao relento pelo vício da embriaguez.
A bem da verdade, o coitado que carecesse do gesto de caridade do nosso”franciscano”, seria levado pras areias do rio Pajeu - e lá valia o adágio popular : “cu de bêbado não tem dono.”
Certo dia, um camarada chamado Gera de Mané Lourenço, que morava num quarto de um beco próximo ao rio, estava melando os beiços num boteco bastante afastado de sua residência, quando, por sorte, vê aproximar-se o dito socorro dos caneiros. Finge, então, cair embriagado, dormindo, roncando.
Neco Véio foi se chegando com rodeios, examinou a vítima:
“- Coitado. Vou levar pra casa dele. Seus pais devem estar preocupados.”
Arremessou o malandro no lombo e andou no itinerário do lendário Pajeu, subiu e desceu algumas ribanceiras, atravessou a cidade, depois de mais de hora e meia, chega no beco de Tóta de Oscar,onde residia a presa. De repente veio a surpresa.
O gaiato pulou das costas do “algoz”, gargalhando:
“- Obrigado  pela carona!”
Coisas do folclore de Serra Talhada.

(Texto do livro LAMPIÃO. NEM HERÓI NEM BANDIDO. A HISTÓRIA, de Anildomá Willans de Souza)