Vídeos

Loading...

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

DAVI JURUBEBA, O ARQUIINIMIGO DE LAMPIÃO

 GUERREIRO DE NAZARÉ - Nos verdes anos da minha meninice e juventude via esse homem alto, de passos lentos, circulando pelas ruas de Serra Talhada, respeitado e cheio de prestigio, conhecido como o maior inimigo de Lampião. Fui colega de escola de alguns dos seus netos - e aluno de outros que eram professores - e tinha orgulho de ser amigo dessa gente.
Algumas vezes, em sua casa, ficava horas e horas escutando o velho nazareno dar entrevistas a jornalistas, pesquisadores e historiadores. Cada frase pronunciada relatando os combates me fazia “navegar” no retorno do tempo e me sentia como se estivesse por trás de uma pedra assistindo a bala zunir, os gritos de guerra estimulando os companheiro e decompondo os inimigos.
Davi Jurubeba era um desses sertanejos típicos, nascido na região do Navio, acostumado ao sol quente e abrasador e a enfrentar com naturalidade a caatinga com toda sua vegetação grosseira.
Ainda moço largou o cabo da enxada e sentou praça na policia para dar combate ao cangaço, mormente à figura de Virgolino Ferreira da Silva, o Lampião.
David Gomes Jurubeba, assim era seu nome na pia batismal, nascido no dia 31/12/1902, na cidade de Floresta - PE, filho de Militão José dos Santos e Maria Gomes Jurubeba.
Alistou-se na Policia Militar de Pernambuco no dia 10/08/1923, isto é, com 21 anos de idade. Entretanto, antes de alistar-se já havia travado diversos combates com os cangaceiros, principalmente com os cabras de Lampião, que era apenas cinco anos mais moço.
Seu batismo de fogo se deu aos 17 anos, ao lado de seu tio, Gomes Jurubeba, homem a quem ele dedicava verdadeira veneração e cujas ordens e diretrizes eram cumpridas integralmente e sem discussão.
Combateu Lampião até o ano de 1931. Nesse ínterim, foi incorporado as volantes nazarenas, espécie de elite no combate a Lampião e seus cangaceiros, tendo como maior expoente o também militar Manoel Neto, as quais percorreram ininterruptamente, sete estados da federação: Pernambuco, Ceará, Alagoas, Sergipe, Paraíba, Rio Grande do Norte e Bahia.
Por seu espírito de comando e estratégia de luta dentro das caatingas chegou a chefiar várias volante.
Dentre os muitos nazarenos mortos sob a mira dos cangaceiros, um deles foi seu irmão Olímpio, que na época contava com apenas 17 anos de idade.
Todas as suas promoções foram por merecimento, em decorrência das lutas travadas com os cangaceiros.
Ao deixar as volantes, desempenhou as funções de delegado e comandante de destacamento em Serra Talhada, Afogados da Ingazeira, Flores, Custódia e Triunfo, isto no período de 1932 a 1942.
A efervescência política e social que o Brasil estava mergulhado em 1935 - A INTENTONA COMUNISTA - Davi Jurubeba, então delegado de Afogados da Ingazeira, foi designado para combater os rebeldes em Tapera, município de Vitória de Santo Antão, obtendo ali, a rendição do Capitão Meireles. Avançou com seus homens até Moreno, onde houve renhido combates, findo os quais forçou a rendição da guarnição rebelde.
No período de 31/08/1942 a 23/08/1943, serviu no Recife, considerada zona de guerra pelo Decreto Federal nº10.490 de 25/09/1942.
Foi reformado na graduação de 2º Sargento pelo ato Governamental nº1366 de 23/10/1944 e , através da lei nº4245 de 13/12/1961, promovido ao posto de 2º Tenente, em reconhecimento pelos relevantes serviços prestados ao Estado de Pernambuco na luta contra o cangaço.

SUA MORTE -  O Tenente David Gomes Jurubeba faleceu no dia 07/10/2001, no Hospital da Policia Militar de Pernambuco, no Recife, com quase 99 anos de idade e 45 dias após ter sido acometido por um AVC.
Foi sepultado no dia 08/10/2001, no cemitério de Serra Talhada, com honras militares, prestadas pelo 14º Batalhão da Policia Militar,  sediado nesta cidade. Estiveram presentes, além de familiares e amigos, oficiais da ativa e reserva da PM, e outras autoridades e pessoas gradas da sociedade serra-talhadense.
Era casado com Maria Margarida de Sá Florêncio e tiveram os seguintes filhos:
Guiomar de Sá Bueno Costa,
Manoel Jurubeba de Sá,
Ruth Gomes de Sá,
Daniel Jurubeba de Sá,
Vera Lúcia de Sá Braga,
Tânia Maria Gomes de Sá e
Maria Gildete de Moura Vilar.
Davi Jurubeba fica na memória do povo sertanejo como o homem que enfrentou Lampião, mas sobretudo, como cidadão e pai de família que sempre teve um zelo brilhante pelos filhos e filhas.


Um comentário:

Anônimo disse...

Foi um torturador covarde.Isso sim!