Vídeos

Loading...

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Iª FLIST – FEIRA LITERÁRIA DE SERRA TALHADA


Começa a tomar forma a Iª FLIST – FEIRA LITERÁRIA DE SERRA TALHADA, que será produzida pela Prefeitura de Serra Talhada, a Academia Serra-talhadense de Letras e a Fundação Cultural Cabras de Lampião, que se realizará nos dias 06, 07, 08 e 09 de maio do corrente, na Estação do Forró. Uma programação intensa está sendo construída para transformar o evento numa verdadeira vitrine para escritores e deixar o público mais próximo dos livros e dos autores. 
Já estão confirmadas presenças de Raimundo Carrero, Adriano Marcena, Wellington de Melo, Paulo Moura, Antônio Neto, entre outros. “Dentro da programação será montado um espaço para o Escambo de Livros, exibição de filmes, grupos folclóricos e musicais, contação de histórias, brincadeiras lúdicas, teatro pra crianças, e a participação de livrarias e editoras”, informa o Secretário de Cultura, Anildomá Willans de Souza. Está sendo feito também um trabalho de articulação com as faculdades e universidades da região, além dos colégios da rede pública e particular, para assegurar um público qualitativo. 

Serão destinados espaços para os escritores interessados em lançar seus livros. Mais informações: (87) 9918 5533 e (87) 3831 3860 (Museu do Cangaço), ou pelo e-mail: anildoma.cangaco@gmail.com.

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

MORRE NO RIO A ATRIZ VANJA ORICO, A 'MUSA DO CICLO DO CANGAÇO'

Ela lutava contra um câncer no intestino e teve falência múltipla de órgãos. Atriz foi a única brasileira a atuar com o cineasta italiano Frederico Fellini.


Morreu nesta quarta-feira (28) no Rio, aos 85 anos, a cantora, atriz e cineasta Vanja Orico. Acometida por Alzheimer, ela ainda lutava contra um câncer de intestino e estava internada desde o dia 11 de janeiro. O enterro está previsto para esta quinta-feira (29), às 16h, no Cemitério São João Batista, Zona Sul do Rio. Vanja se projetou no cenário artístico em 1953 ao interpretar a música Mulher Rendeira, tema do filme O Cangaceiro, de Lima Barreto. Ela acabou sendo consagrada como a musa do “Ciclo do Cangaço”, tendo participado de filmes como Lampião, O Rei do Cangaço e Jesuíno Brilhante, o Cangaceiro.

A artista carioca participou de mais de 20 filmes e foi a única atriz brasileira a atuar com o cineasta Frederico Fellini, na década de 50, no filme "Luci del Varietá" ("Mulheres e luzes").
Vanja também teve participação notória durante a ditadura militar. Ela foi presa e torturada depois de interromper a ação de policiais durante o enterro do estudante Édson Luiz, morto pela repressão. "Não atirem, somos todos brasileiros", teria gritado Vanja aos policiais do regime.



Fonte G1

ESPETÁCULO TEATRAL EM TUPARETAMA NESTE FIM DE SEMANA

O ator paulista, palestrante e contador de histórias Alexandre Camilo estará em Tuparetama nesse próximo final de semana, participando de uma ação do SOS RELIGAR.  Alexandre vai ajudar na distribuição de brinquedos e donativos cuja doação ele foi um dos intermediadores, através de campanha de natal e fim-de-ano da TV TRIBUNA de Santos-SP.   
 
Camilo e os voluntários da ong SOS RELIGAR distribuirão cerca de 5 mil brinquedos para crianças das comunidades rurais da Barriguda  (Tuparetama) Logradouro de Iguaraci e Socorro(Iguaraci). Além dos brinquedos serão entregues cestas básicas às famílias dessas localidades.  As crianças e famílias rurais contempladas pela ação terão também a oportunidade de assistir a apresentação do projeto "SEMEANDO HISTÓRIAS" do ator e contador de histórias.
 
As crianças da cidade e os adultos que gostam de arte também terão a oportunidade de assistir gratuitamente uma apresentação do seu trabalho.  A apresentação em Tuparetama será no Centro Recreativo Professor Rabêlo, com início às 8 horas da noite. [Com informações do SOS RELIGAR em Tuparetama]

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

FCCL COMEÇA A GRAVAR O FILME DE CURTA METRAGEM PAPO AMARELO

Fundação Cultural Cabras de Lampião vem com tudo em 2015, e já começa gravando nesse fim de semana as primeiras cenas do filme de curta metragem PAPO AMARELO – A HISTÓRIA DO PRIMEIRO TIRO, com direção e roteiro do historiador Anildoma Willans, que se aventura em mais uma empreitada valorizando e incentivando a arte e a cultura da região.
A equipe é toda de Serra Talhada e segundo ele, é a melhor; a direção de fotografia e câmera será de Camilo Melo uma sumidade em áudio Visual no município, “acredito que estamos cercados do que há de melhor em matéria prima para esse tipo de atividade na Capital do Xaxado e isso me tranqüiliza”; afirma ele.
O filme narra o fato real que aconteceu em 1918/19, quando teve início as desavenças entre as famílias Ferreira/Lampião e Carvalho/Saturnino, que levou o jovem José Saturnino a atirar em Antonio Ferreira, vindo desencadear a intriga entre as famílias que duraria muito, muito tempo. O filme está sendo preparado com esmero, por se tratar de um fato real acontecido há quase 100 anos, está havendo uma pesquisa de objetos, adereços e figurinos coordenada por PC Frazelly que já faz produção de arte no Espetáculo O massacre de Angico - A Morte de Lampião.
“Estamos empenhados em fazer o melhor, por se tratar de nossa história, a FCCL tem essa preocupação como o resgate e a preservação desses e outros fatos históricos que envolvem a Capital do Xaxado”, comenta Cleonice Maria presidente da Fundação Cultural Cabras de Lampião; que festeja 20 anos de história, e tem outros belos eventos que serão realizados com um gosto todo especial e servirão de mote para lembrar sua caminhada, que já nasceu grande e próspera, vida longa à todos que fazem a FCCL que contempla: Grupo de Xaxado Cabras de Lampião, Museu do Cangaço, Ponto de Cultura, Escola de Danças Populares, Ponto de Memória, Espetáculo Teatral ao ar Livre O Massacre de Angico – A Morte de Lampião, Festival de Músicas do Cangaço, Encontro Nordestino de Xaxado, Espetáculo de Danças Mistura Pernambucana, Grupo de Danças Gilvan Santos, Herdeiros do Xaxado, Quintal do Museu (onde acontece uma infinidades de eventos mostrando a diversidade artística e cultural do Brasil), entre outros afazeres dessa fecunda entidade cultural.


terça-feira, 27 de janeiro de 2015

III PRÊMIO PERNAMBUCO DE LITERATURA

O Governo do Estado de Pernambuco, através da Secretaria de Cultura – Secult-PE e da Companhia Editora de Pernambuco - Cepe, institui por meio da Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico - Fundarpe, o "III Prêmio Pernambuco de Literatura", nos termos e condições estabelecidos neste Edital.
O prêmio tem como objetivo fomentar a produção literária em todas as macrorregiões de Pernambuco através de uma política editorial que visa democratizar o acesso ao livro e apresentar-se como uma estratégia de promover a distribuição e circulação da literatura contemporânea pernambucana, aliando-se a outras atividades de fruição e formação de público leitor desenvolvidas pela Secult-PE/Fundarpe.
O Edital e seus anexos poderão ser obtidos na Coordenadoria de Literatura da Secult-PE, localizada na Rua da União, 263 1º andar – Boa Vista, ou nos sites da Secretaria de Cultura de Pernambuco (www.cultura.pe.gov.br) e Cepe Editora (www.cepe.com.br/).

Esclarecimentos e informações aos interessados serão prestados pela Coordenadoria de Literatura ou pela Cepe Editora no endereço citado, de segunda a sexta-feira das 8h às 17h,  pelos telefones (81) 3184-3166/ 3183-2700 ou pelo e-mail literatura.secultpe@gmail.com
"Eis uma bela oportunidade para nossas publicações. Vamos aproveitar, as chances de aprovarmos são imensas, pois o SERTÃO DO PAJEÚ esbanja talento e arte. ANILDOMÁ WILLANS DE SOUZA - Secretário de Cultura e Turismo Serra Talhada/PE.

segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

CARUARU TERÁ PROGRAMAÇÃO ESPECIAL PARA LEMBRAR O MESTRE VITALINO



>>Os 52 anos da morte do Mestre Vitalino serão lembrados com uma programação especial realizada pela Prefeitura de Caruaru. As primeira homenagens ocorrerão na terça-feira (20), data da morte do artesão, com uma visita de familiares e representantes da Fundação levarão coroas de flores ao tumulo onde o mestre foi sepultado, no Cemitério dom Bosco, às 9h.
Já no domingo, 25, a partir das 15h, será feito o encerramento da programação da Festa de São Sebastião, que é realizada no Alto do Moura. Na ocasião, haverá uma missa e uma procissão, que será acompanhada por uma banda de pífano em homenagem a Vitalino.


Fonte: NE10interior

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

AFOGADOS DA INGAZEIRA OFERECE AULAS DE INSTRUMENTOS MUSICAIS

>>O município de Afogados da Ingazeira no, no Sertão do Estado, está com matrículas abertas para cursos de formação em instrumento musical, ofertados na Escola Municipal Bernardo Delvanir Ferreira.
De acordo com a assessoria de imprensa da prefeitura, há vagas para iniciação musical direcionada a crianças de 7 a 12 anos, que aprenderam a tirar som de instrumentos como violão, teclado, sanfona, bateria, violino, viola, violoncelo, trompete, trombone, sax e clarinete.
Para se cadastrar é preciso apresentar cópias da certidão de nascimento ou da identidade, assim como de um comprovante de residência. Também é necessário levar uma foto 3x4, além de uma declaração que comprove a matrícula do aluno no ensino regular.
As inscrições podem ser feitas de segunda à sexta-feira, das 8h às 14h, na sede da escola, localizada na Rua Antônio Vidal, sem número, no Centro da cidade.

quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

FUNCULTURA INICIA CICLO DE OFICINAS DE CAPACITAÇÃO SOBRE EDITAL AUDIOVISUAL

>>A Prefeitura de Serra Talhada, através da Secretaria de Cultura e Turismo informa aos interessados para participarem da OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS CULTURAIS DO 8º EDITAL DO PROGRAMA DE FOMENTO À PRODUÇÃO AUDIOVISUAL DE PERNAMBUCO/FUNCULTURA 2014/2015.
Destacamos que essa capacitação será oferecida pela equipe da Coordenadoria de Audiovisual da Secretaria de Cultura de Pernambuco/Fundarpe, objetivando capacitar os produtores culturais da sua cidade a inscrever projetos culturais para a linguagem de audiovisual, que contempla as categorias: longa-metragem, curta-metragem, média-metragem, produtos para TV, desenvolvimento do cineclubismo, difusão, formação, pesquisa e preservação, além da categoria Revelando os Pernambucos, que incentiva projetos de mostras e festivais ou curtas- metragens, sendo aprovado pelo menos um por cada Região de Desenvolvimento do Estado.
A Oficina será no próximo dia 24 de janeiro de 2015 – SÁBADO - a partir das 13 às 17 horas, na Sala Multimídia do Museu do Cangaço, na Estação do Forró, em Serra Talhada. 
Vagas limitadas. Participação gratuita. Não é preciso Inscrição Prévia.
Mais informações: (87) 3831 3860.

As capacitações começam na Região Metropolitana do Recife e seguem pelo interior pernambucano, contemplando todas as Regiões de Desenvolvimento do Estado. Ao todo, serão 18 oficinas para orientar os realizadores e produtores audiovisuais, cineclubistas, pesquisadores  e educadores que desejam elaborar projetos para a seleção pública.
Os facilitadores da oficina, Carla Francine, Mauro Lira e Shirley Hunther, irão apresentar o edital com detalhes sobre a elaboração de projetos e esclarecer dúvidas dos participantes. Um dos objetivos das oficinas é potencializar a descentralização do audiovisual no Estado, focando ainda mais nas linhas Revelando Pernambucos e Formação de Cineclubes. O acesso é gratuito, não é necessário fazer inscrição prévia.
SELEÇÃO PÚBLICA – O edital foi lançado no dia 17 de novembro de 2014, com valor total de R$ 20.050.000,00 (vinte milhões e cinquenta mil reais) para projetos de filmes de longa e curta-metragem, produtos para televisão, pesquisas, formação (cursos, oficinas, seminários, encontros), difusão (festivais, mostras, prensagem e distribuição de produtos pernambucanos), projetos de preservação e cineclubes. O período de inscrições de projetos foi iniciado no dia de 17 de dezembro de 2014 e encerra em 4 de fevereiro de 2015. Acesse o edital AQUI.
CADASTRO – Os produtores e realizadores do setor audiovisual terão até o dia 23 de janeiro para se inscrever ou atualizar os seus cadastros de Produtor Cultural (CPC). O procedimento de atualização do CPC deve ser feito anualmente. Aqueles que não tiverem cadastro renovado ficam impedidos de participar dos editais do Funcultura. A inscrição ou renovação no Cadastro de Produtor Cultural pode ser feita presencialmente de segunda a sexta-feira, das 8h às 12h, no setor de Atendimento do Funcultura, localizado no térreo da sede da Fundarpe (Rua da Aurora 463/469, Boa Vista, Recife). Também é possível fazer a inscrição com o envio de formulário e documentação pelos Correios. Mais informações pelos telefones: (81) 3184-3023/3184-3026 . Saiba mais sobre o Cadastro de Produtor Cultural.
"Não vamos perder a oportunidade de ampliarmos conhecimentos e entrarmos nas disputas dos Editais. Se nós, da região, não corrermos atrás, outros virão e receberão os recursos e vamos apenas lamentar". Finaliza o secretário de Cultura Anildoma Willans

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Eu não sou Charlie, je ne suis pas Charlie (Leonardo Boff) 10/01/2015


Há muita confusão acerca do atentado terrorista em Paris, matando vários cartunistas. Quase só se ouve um lado e não se buscam as raízes mais profundas deste fato condenável mas que exige uma interpretação que englobe seus vários aspectos ocultados pela midia internacional e pela comoção legítima face a um ato criminoso. Mas ele é uma resposta a algo que ofendia milhares de fiéis muçulmanos. Evidentemente não se responde com o assassianto. Mas também não se devem criar as condições psicológicas e políticas que levem a alguns radicais a lançarem mão de meios reprováveis sobre todos os aspectos. Publico aqui um texto de um padre que é teóloogo e historiador e conhece bem a situação da França atual. Ele nos fornece dados que muitos talvez não os conheçam. Suas reflexões nos ajudam a ver a complexidade deste anti-fenômeno com suas aplicações também à situação no Brasil: Lboff
***************************
Eu condeno os atentados em Paris, condeno todos os atentados e toda a violência, apesar de muitas vezes xingar e esbravejar no meio de discussões, sou da paz e me esforço para ter auto controle sobre minhas emoções…
Lembro da frase de John Donne: “A morte de cada homem diminui-me, pois faço parte da humanidade; eis porque nunca me pergunto por quem dobram os sinos: é por mim”. Não acho que nenhum dos cartunistas “mereceu” levar um tiro, ninguém o merece, acredito na mudança, na evolução, na conversão. Em momento nenhum, eu quis que os cartunistas da Charlie Hebdo morressem. Mas eu queria que eles evoluíssem, que mudassem… Ainda estou constrangido pelos atentados à verdade, à boa imprensa, à honestidade, que a revista Veja, a Globo e outros veículos da imprensa brasileira promoveram nesta última eleição.
A Charlie Hebdo é uma revista importante na França, fundada em 1970, é mais ou menos o que foi o Pasquim. Isso lá na França. 90% do mundo (eu inclusive) só foi conhecer a Charlie Hebdo em 2006, e já de uma forma bastante negativa: a revista republicou as charges do jornal dinamarquês Jyllands-Posten (identificado como “Liberal-Conservador”, ou seja, a direita europeia). E porque fez isso? Oficialmente, em nome da “Liberdade de Expressão”, mas tem mais…
O editor da revista na época era Philippe Val. O mesmo que escreveu um texto em 2000 chamando os palestinos (sim! O povo todo) de “não-civilizados” (o que gerou críticas da colega de revista Mona Chollet (críticas que foram resolvidas com a demissão sumaria dela). Ele ficou no comando até 2009, quando foi substituído por Stéphane Charbonnier, conhecido só como Charb. Foi sob o comando dele que a revista intensificou suas charges relacionadas ao Islã, ainda mais após o atentado que a revista sofreu em 2011…
A França tem 6,2 milhões de muçulmanos. São, na maioria, imigrantes das ex-colônias francesas. Esses muçulmanos não estão inseridos igualmente na sociedade francesa. A grande maioria é pobre, legada à condição de “cidadão de segunda classe”, vítimas de preconceitos e exclusões. Após os atentados do World Trade Center, a situação piorou.
Alguns chamam os cartunistas mortos de “heróis” ou de os “gigantes do humor politicamente incorreto”, outros muitos os chamam de “mártires da liberdade de expressão”. Vou colocar na conta do momento, da emoção. As charges polêmicas do Charlie Hebdo, como os comentários políticos de colunistas da Veja, são de péssimo gosto, mas isso não está em questão. O fato é que elas são perigosas, criminosas até, por dois motivos.
O primeiro é a intolerância. Na religião muçulmana, há um princípio que diz que o Profeta Maomé não pode ser retratado, de forma alguma. Esse é um preceito central da crença Islâmica, e desrespeitar isso desrespeita todos os muçulmanos. Fazendo um paralelo, é como se um pastor evangélico chutasse a imagem de Nossa Senhora para atacar os católicos…
Qual é o objetivo disso? O próprio Charb falou: “É preciso que o Islã esteja tão banalizado quanto o catolicismo”. “É preciso” porque? Para que?
Note que ele não está falando em atacar alguns indivíduos radicais, alguns pontos específicos da doutrina islâmica, ou o fanatismo religioso. O alvo é o Islã, por si só. Há décadas os culturalistas já falavam da tentativa de impor os valores ocidentais ao mundo todo. Atacar a cultura alheia sempre é um ato imperialista. Na época das primeiras publicações, diversas associações islâmicas se sentiram ofendidas e decidiram processar a revista. Os tribunais franceses, famosos há mais de um século pela xenofobia e intolerância (ver Caso Dreyfus), como o STF no Brasil, que foi parcial nas decisões nas últimas eleições e no julgar com dois pessoas e duas medidas caos de corrupção de políticos do PSDB ou do PT, deram ganho de causa para a revista.
Foi como um incentivo. E a Charlie Hebdo abraçou esse incentivo e intensificou as charges e textos contra o Islã e contra o cristianismo, se tem dúvidas, procure no Google e veja as publicações que eles fazem, não tenho coragem de publicá-las aqui…
Mas existe outro problema, ainda mais grave. A maneira como o jornal retratava os muçulmanos era sempre ofensiva. Os adeptos do Islã sempre estavam caracterizados por suas roupas típicas, e sempre portando armas ou fazendo alusões à violência, com trocadilhos infames com “matar” e “explodir”…). Alguns argumentam que o alvo era somente “os indivíduos radicais”, mas a partir do momento que somente esses indivíduos são mostrados, cria-se uma generalização. Nem sempre existe um signo claro que indique que aquele muçulmano é um desviante, já que na maioria dos casos é só o desviante que aparece. É como se fizéssemos no Brasil uma charge de um negro assaltante e disséssemos que ela não critica/estereotipa os negros, somente aqueles negros que assaltam…
E aí colocamos esse tipo de mensagem na sociedade francesa, com seus 10% de muçulmanos já marginalizados. O poeta satírico francês Jean de Santeul cunhou a frase: “Castigat ridendo mores” (costumes são corrigidos rindo-se deles). A piada tem esse poder. Mas piada são sempre preconceituosas, ela transmite e alimenta o preconceito. Se ela sempre retrata o árabe como terrorista, as pessoas começam a acreditar que todo árabe é terrorista. Se esse árabe terrorista dos quadrinhos se veste exatamente da mesma forma que seu vizinho muçulmano, a relação de identificação-projeção é criada mesmo que inconscientemente. Os quadrinhos, capas e textos da Charlie Hebdo promoviam a Islamofobia. Como toda população marginalizada, os muçulmanos franceses são alvo de ataques de grupos de extrema-direita. Esses ataques matam pessoas. Falar que “Com uma caneta eu não degolo ninguém”, como disse Charb, é hipócrita. Com uma caneta se prega o ódio que mata pessoas…
Uma das defesas comuns ao estilo do Charlie Hebdo é dizer que eles também criticavam católicos e judeus…
Se as outras religiões não reagiram a ofensa, isso é um problema delas. Ninguém é obrigado a ser ofendido calado.
“Mas isso é motivo para matarem os caras!?”. Não. Claro que não. Ninguém em sã consciência apoia os atentados. Os três atiradores representam o que há de pior na humanidade: gente incapaz de dialogar. Mas é fato que o atentado poderia ter sido evitado. Bastava que a justiça tivesse punido a Charlie Hebdo no primeiro excesso, assim como deveria/deve punir a Veja por suas mentiras. Traçasse uma linha dizendo: “Desse ponto vocês não devem passar”.
“Mas isso é censura”, alguém argumentará. E eu direi, sim, é censura. Um dos significados da palavra “Censura” é repreender. A censura já existe. Quando se decide que você não pode sair simplesmente inventando histórias caluniosas sobre outra pessoa, isso é censura. Quando se diz que determinados discursos fomentam o ódio e por isso devem ser evitados, como o racismo ou a homofobia, isso é censura. Ou mesmo situações mais banais: quando dizem que você não pode usar determinado personagem porque ele é propriedade de outra pessoa, isso também é censura. Nem toda censura é ruim…
Deixo claro que não estou defendendo a censura prévia, sempre burra. Não estou dizendo que deveria ter uma lista de palavras/situações que deveriam ser banidas do humor. Estou dizendo que cada caso deveria ser julgado. Excessos devem ser punidos. Não é “Não fale”. É “Fale, mas aguente as consequências”. E é melhor que as consequências venham na forma de processos judiciais do que de balas de fuzis ou bombas.
Voltando à França, hoje temos um país de luto. Porém, alguns urubus são mais espertos do que outros, e já começamos a ver no que o atentado vai dar. Em discurso, Marine Le Pen declarou: “a nação foi atacada, a nossa cultura, o nosso modo de vida. Foi a eles que a guerra foi declarada”. Essa fala mostra exatamente as raízes da islamofobia. Para os setores nacionalistas franceses (de direita, centro ou esquerda), é inadmissível que 10% da população do país não tenha interesse em seguir “o modo de vida francês”. Essa colônia, que não se mistura, que não abandona sua identidade, é extremamente incômoda. Contra isso, todo tipo de medida é tomada. Desde leis que proíbem imigrantes de expressar sua religião até… charges ridicularizando o estilo de vida dos muçulmanos! Muitos chargistas do mundo todo desenharam armas feitas com canetas para homenagear as vítimas. De longe, a homenagem parece válida. Quando chegam as notícias de que locais de culto islâmico na França foram atacados, um deles com granadas!, nessa madrugada, a coisa perde um pouco a beleza. É a resposta ao discurso de Le Pen, que pedia para a França declarar “guerra ao fundamentalismo” (mas que nos ouvidos dos xenófobos ecoa como “guerra aos muçulmanos”, e ela sabe disso).
Por isso tudo, apesar de lamentar e repudiar o ato bárbaro do atentado, eu não sou Charlie. Je ne suis pas Charlie.


quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

TEATRO: UMA ARTE PULSANTE NO REDUTO DO XAXADO

  

As artes cênicas são o conjunto de técnicas usadas na criação, direção, montagem e interpretação de espetáculos teatrais, de circo, ópera, danças... Seus recursos podem ser utilizados no processo educativo de crianças e jovens, como uma expressão artística, ao lado de outras modalidades das artes, este colunista que é poeta, ator, escritor e diretor teatral conhecido na região por seu trabalho com esta arte surgida na Grécia no século VI a.C. em decorrência dos festivais anuais em consagração a Dionísio, o deus do vinho e da alegria, vem fazendo um trabalho de pesquisa e resgate da história dessa manifestação artística tão antiga aqui no município e consta em seus registros que o surgimento do Teatro em Serra Talhada se deu no ano de 1918 pelas mãos do então Maestro da Filarmônica Vilabelense Sr. Luiz Gomes de Sá com as apresentações nesse ano de dois dramas: Erro Judiciário e A  Louca do Jardim, essa ultima de autoria do Major Claudino dos Lagos, assim sendo, lá se vão 97 anos completos que esse fato se fez, pela audácia e coragem desse nobre Maestro, mostrando que a música e o teatro, assim como a literatura estão intimamente ligados.

A partir daí havia sempre encenações, depois na escola Normal e no Colégio Cônego Torres; “vale lembrar esse fato e dizer da efervescência vivida nos anos 1970, onde tivemos seis grupos vivenciando o teatro, essa fascinante manifestação cultural e revelando a existência de grandes artistas cênicos em nosso meio”. Hoje a cidade segue sua trilha teatral com os grupos Centro Dramático Pajeú, comemorando 26 de atuação neste mês (janeiro), o Grupo Teatral Asas da Imaginação que de vez em quando surge com uma encenação, a Equipe Teatral de Serra Talhada – ETEAST que têm circulado com suas produções (NeurosE - a Cidade e seus Sentidos e Fulana, Sicrana, Beltrana), por diversas cidades e festivais, a Fundação Cultural Cabras de Lampião e de vez quando surge um grupo de pessoas que se reúne em torno desse propósito.
A cidade tem revelado nomes como Arnold Rodrigues grande ator, compositor e humorista, Gilvan Santos que era interprete de mão cheia, Arilson Lopes um dos grandes nomes do teatro pernambucano que vive na capital; temos os atores e atrizes de período que interpretaram personagens marcantes em sua juventude e que ora são incentivadores dos novatos, como é o caso de Anildomá, Ivanildo Duarte, Modesto de barros, Cleonice Maria, Isa Rodrigues, Tarcisio Rodrigues, Gisleno Sá, Fátima Alves, Giovanni Sá, PC Frazelly, Marluce Simões, Inaldo Soares, Ubiraci, Maninha, Josemir Bezerra, Vanderson Lima, Carlinhos Pajeú, Luiza Nogueira (falecida), e tantos e tantos outros que por aí estão.
“Em minha vivencia com teatro que em 2015 chega a 20 anos, passaram muitas pessoas, algumas brilhantes e que infelizmente por questões de sobrevivência enterraram seu dom (assim como muitos no passado), pois pra se viver uma carreira instigante como essa, é preciso ‘ter sangue nos olhos’; fiz uma escolha e ‘pago um preço muito caro por isso’, os cursos em Recife, os perrengues, a falta de incentivo, o preconceito e inúmeros sacrifícios enfrentados ao longo dessa caminhada regada com  espinhos e flores”.
Hoje vivemos um momento singular e de apogeu numa perspectiva de melhora constante com alguns talentos achados por esse que vos escreve como Gilberto Gomes e Frank Ferraz (na ativa), Eliana Campos, Ismael Magalhães, Natalia Siqueira, Renan Albuquerque, Andreilma Mateus, Antonio Silva, Débora Karoline, Cristiane Araújo, Adriano Barros que descobriu Eriane Freitas, e depois no Ponto de Cultura Oficina de Criação, a saber: Gildo Alves, Dany Feitosa, Humberto Cellu’s, Juliana Guerra, Leandro Soares, Vanise Mariano, Leandra Nunes, Katia Alves, entre outros que estão na ativa e juntando-se a nós temos Karl Marx, Gorete Lima, Franklin Gomes, Adriana da Silva, Dorotéa Nogueira, Clebber Max, Jean Magalhães, Danielle Viana, Jefferson Michel, Marcos Fabrício, Marcelo Oliveira, entre outros que atuam em espetáculos que chegaram para ficar como é o caso da Via Sacra do Bom Jesus na semana Santa e o Massacre de Angico – A Morte de Lampião em Julho, somando aos espetáculos da ETEAST e do CDPST, mostram a força pulsante desta fascinante manifestação artística e cultural que diverte, emociona, educa, transforma...



“O que carece ainda e vejo um empenho para que se concretize é a viabilização de um espaço publico adequado para o escoamento das produções, a formação de platéia e de profissionais para atuarem de maneira mais consistente na área, inaugurar este teatro/prédio seria um grandioso presente para mim enquanto interprete neste ano em que celebro 20 anos de atuação cêncica. 

segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

CENTENÁRIO DO POETA 'LOURO DO PAJEÚ' É LEMBRADO COM ATRAÇÕES CULTURAIS

 O centenário de nascimento do repentista e poeta Lourival Batista, conhecido por "Louro do Pajeú é lembrado com uma programação cultural gratuita em São José do Egito, no Sertão pernambucano. O evento ocorre esta terça-feira (6) e conta com apresentações musicais, exposições, recitais poéticos, além de lançamento de livros.
A iniciativa tem como tema "100 anos de poesia. Tudo que reluz é Louro” e é realizada pelo Instituto Lourival Batista. O instituto é localizado na Rua Domingos Siqueira, no Centro da cidade e reúne um arcevo sobre Lourival. O poeta morreu em 1992 e era irmão dos também repentistas Otacílio e Dimas Batista. Os integrantes da família eram conhecidos como “Faraós do Repente” naquele município sertanejo.
PROGRAMAÇÃO
DiaLocalAtrações
Segunda-feira (5)Espaço João Macambira, das 15h às 17h

Espaço Bodega Job Patriota, das 18h às 20h30



Palco Zá Marinho, das 21h30 às 2h
Palestra: O legado de Louro, por Ésio Rafael, Pedro Américo e Raimundo Branco

Recital: Graça Nascimento e Cida Pedrosa
Lançamento dos livros: Linguaraz, Viagem de Joseph Língua e Ficção em Pernambuco, de Pedro Américo
Vozes e Versos

Recital 8 ou 80: Letícia Moraes e Chico Pedrosa
Ednardo
Em Canto e Poesia
Terça-feira (6)Espaço Bodega Job Patriota, das 14h às 18h






Instituto Lourival Batista, a partir das 3h30
Cantorias: Geraldo Amâncio e Moacir Laurentino, Zé Cardoso e Severino Feitosa, Valdir Teles e Diomedes Mariano
Lançamento do livro: Mosaico de Reflexões, de Gustavo Ferrer
Mesa de Glosa em homenagem a João Paraibano
Microfone aberto: espaço livre para criação
Cordas em Retalhos
As Severinas

Vigília poética
Fonte: G1 Caruaru e região

sábado, 3 de janeiro de 2015

V CONGRESSO DE TEATRO DA ARTEPE

IV CONGRESSO DE TEATRO DA ARTEPE/ASSOCIAÇÃO DOS REALIZADORES DE TEATRO DE PERNAMBUCO
PROGRAMAÇÃO
DIA 08/01/15
19:00 – Ação de Graça – Momento Ecumênico
              Espaço Cultural Professor José de Barros Lins (Anexo ao Instituto Allan Kardec)
              Av. Professor Andrade Bezerra, n.º 826 – Salgadinho – Olinda/PE

DIA 09/01/15
19:00 – Abertura Solene
              Teatro Apolo
              Rua do Apolo, n.º 121 – Bairro do Recife – Recife/PE
20:00 – Apresentação do Afoxê Oyá Tokolê
21:00 - Coquetel

DIA 10/01/15
08:00 – Credenciamento
              Espaço Cultural Professor José de Barros Lins (Anexo ao Instituto Allan Kardec)
              Av. Professor Andrade Bezerra, n.º 826 – Salgadinho – Olinda/PE
09:00 – Assembléia Geral Ordinária
10:00 – Assembléia do Conselho de Grupos
11:00 – Eleição da Mesa Diretora do Congresso
12:00 – Almoço
14:00 – Mesa Redonda “Teatro:uma visão holística
              Palestrantes: Luiz Felipe Botelho e Wellington Júnior
              Mediação: Karl Marx
16:00 – Trabalho em Grupo
18:00 – Jantar

DIA 11/01/15
08:00 – Apresentação dos Grupos de Trabalho
11:00 – Aprovação de Moções
12:00 – Eleição e Posse da Nova Diretoria

13:00 – Almoço de Confraternização

SOBRE O TEMA DO CONGRESSO: A VISÃO HOLÍSTICA DO TEATRO
Há muitas maneiras de entender o indivíduo na Pós-modernidade. A forma que escolhemos para compreender o indivíduo pós-moderno é a holística. Por muitos anos perdurou, principalmente por influências das idéias platônicas, cristãs e cartesianas, a noção de que o homem é dual, composto de corpo e alma. Essa visão dualista vem sendo repensada desde o início do século XX quando teóricos da biologia, da físico-química, da concepção sistêmica e da neurociência vêm propondo uma espécie de monismo material.

Apesar de ser parte de um grande sistema - o planeta, a natureza -, o ser humano é, em si, uma totalidade composta de várias partes. Neste sentido, não é possível entendê-lo somente de maneira dual. Há de se considerar que o indivíduo é muito mais do que corpo-alma ou espírito. Ele é um ente complexo, que possui dimensões existenciais complexas.

Sob o horizonte da integralidade humana, a visão holística enfatiza a necessidade de se desenvolver, nos indivíduos, as faculdades do pensar, do sentir e do querer. Tratam-se dos três tipos de inteligências – a racional, a emocional e a volitiva.

Junto com a idéia de dualismo entre corpo e alma, ao longo dos anos, enfatizou-se somente a capacidade racional dos indivíduos. Hoje, depois de tantos avanços na neurociência e da neurobiologia não é mais possível pensar somente a parte racional do homem. É preciso considerar a dimensão emocional e volitiva que também fazem parte desse todo-complexo do indivíduo.

Essas três faculdades devem ser consideradas fundamentais para o desenvolvimento integral do homem. O desenvolvimento do sentir exige a valorização de todos os aspectos essenciais para a saúde física e psíquica das pessoas. Já que o homem não é dual, mas integralizado, se uma das partes que o compõe apresenta-se problemática certamente todas as outras partes serão afetadas. Exemplo disso é quando não estamos harmonizados com a faculdade do sentir, do querer e do pensar. Normalmente, quando não estamos realizados emocionalmente, dificilmente assimilaremos conteúdos intelectuais adequadamente. Assim também, se não estamos seguros emocional e racionalmente nosso querer não nos impulsionará para a ação.

O que queremos demonstrar, com essas considerações, é que na visão holística o homem deve ser concebido numa dimensão global. Que ele deve manter equilibradas as partes que lhes compõe – razão, emoção e vontade. Nesse sentido, no homem integral, essas partes se inter-retro-relacionam.

Nesse sentido a dimensão artística, sobretudo as artes cênicas e, especialmente o teatro, corrobora para que esse indivíduo alcance o equilíbrio em suas capacidades racional, emocional e volitiva de forma harmoniosa e com isso consiga ser plenamente feliz.


Feliciano Félix
Presidente

sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

ARCOVERDE RECEBE ATRAÇÕES DO 21º JANEIRO DE GRANDES ESPETÁCULOS

Pelo 3º ano consecutivo, o Janeiro de Grandes Espetáculos – Festival Internacional de Artes Cênicas de Pernambuco chega ao município de Arcoverde, ampliando sua ação cultural para o Sertão pernambucano.
O evento, promovido pela Associação dos Produtores de Artes Cênicas de Pernambuco (Apacepe), com sede no Recife, faz uma parceria com o SESC Pernambuco e ocupa o Teatro Geraldo Barros, no SESC Arcoverde, além de uma sessão gratuita na Praça Winston Siqueira, no centro da cidade, de 16 de janeiro a 01 de fevereiro, oferecendo oito diferentes espetáculos, entre teatro, dança e ópera, incluindo produções de grupos da própria Arcoverde, a Tropa do Balaco Baco, o Núcleo de Pesquisa em Dança Contemporânea do SESC Arcoverde e o Teatro de Retalhos, além de convidados do Recife, Garanhuns, Suíça e Espanha/Portugal.
Os ingressos são a preço popular, R$ 10 e R$ 5 (comerciários, estudantes, crianças até 10 anos e maiores de 65 anos com identificação), à venda no dia de cada sessão, 2h antes, na própria bilheteria.
Maiores detalhes e a programação podem ser conferidos no sitewww.janeirodegrandesespetaculos.com.

IDEALIZADOR DA FUNDAÇÃO TERRA INSPIRA VOLUNTÁRIOS NO SERTÃO PERNAMBUCANO

Padre Airton Freire (Foto: Reprodução/ TV Asa Branca)Padre Airton Freire idealizou Fundação Terra
(Foto: Reprodução/ TV Asa Branca)
No Sertão pernambucano, uma instituição sem fins lucrativos mantida por meio de doações tem ajudado a transformar a vida de milhares de pessoas. É a Fundação Terra. A iniciativa é fruto da dedicação do padre Airton Freire, um homem que inspirou voluntários no município de Arcoverde. O lugar oferece assistência médica gratuita, amparo a idosos, aulas de capacitação e outras atividades.
Criada há 30 anos, a Fundação Terra foi construída no lugar onde antes existia um lixão. O instrutor Francisco Pedro da Cruz dá aulas na oficina de Marcenaria. Antes, ele sobrevivia do que pegava no lixo. "A fundação mudou a minha vida com muitas coisas boas. Não tinha expectativa de vida. E depois, com cursos oferecidos pela Fundação Terra, tornou você outra pessoa, né? Você saiu do lixo e foi ser alguém visto", comenta. A auxiliar de serviços gerais Marlene Maria era catadora e hoje a vida dela e dos três fihos é bem diferente. "Muito contente. Muito feliz mesmo. Porque minha filha estudou aqui, aprendeu muitas coisas boas e agora ela é professora de muitas coisas".
Mais de 2.400 famílias são beneficiadas pelos projetos da Fundação Terra. Por ano, 200 jovens estudam nos cursos profissionalizantes. Já na área de sáude, cerca de 6 mil pessoas de 35 municípios são atendidas por mês. Os pacientes têm acesso a uma equipe formada por médicos, fisioterapeutas, dentistas, nutricionistas e diversas especialidades.
O padre Airton Ferreira idealizou a Fundação Terra quando celebrou uma missa no lixão de Arcoverde. "Quando eu penso naquele acontecimento, que para mim foi inaugural, a imagem mais forte que me vem é de uma criança chorando pedindo pão, pedindo bolacha no momento que eu distribuía a eucaristia. Fiquei tão tocado quando vi aquela cena que eu concluí haver alguma relação entre a dor, a fome daquele povo, com o pão para o mundo. O Cristo Eucarístico que estava sendo comungado. Assim como o pão estava sendo compartilhado, eu fui tocado para partilhar a minha vida com eles também", explica.
Serviço
Fundação Terra
Endereço: Rua Alfredo de Souza Padilha, sem número, Bairro São Cristóvão, Arcoverde
Telefones: (87) 3821-1826/0954
Fonte: G1 Caruaru e região