Vídeos

Loading...

quinta-feira, 30 de abril de 2015

RRNE/MINC PARTICIPA DE REUNIÃO PARA ARTICULAÇÃO DO IX ENCONTRO NACIONAL DE CULTURA POPULAR E TRADICIONAL

Na segunda-feira (27) e na terça-feira (28), detentores dos conhecimentos tradicionais e das expressões culturais populares de todo o país se reuniram no Sesc Pernambuco, na sede do bairro de Santo Amaro, no Recife. A ação pretendeu tornar viável o IX Encontro Nacional de Cultura Popular e Tradicional, que terá o seu lançamento oficial realizado no dia 5 de junho, no município de Serra Talhada, conhecido como a capital do Xaxado. O objetivo geral do evento é fortalecer o exercício dos direitos culturais, a atuação em rede, o diálogo e a parceria entre a sociedade civil, gestores, instâncias de participação social e sociedade em geral no campo das culturas populares e tradicionais para a promoção de um novo ciclo de políticas e ações de valorização e promoção das expressões da diversidade cultural.

terça-feira, 21 de abril de 2015

MORRE VLADIMIR CAPELLA .. O PAI DO TEATRO INTELIGENTE PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES.

Vladimir Capella (São Caetano do Sul/SP, 1951) é diretor e dramaturgo.
Biografia
Vladimir Capella nasceu em São Caetano do Sul, São Paulo, no dia 31 de julho de 1951, e cursou a Fundação das Artes de sua cidade natal. É dramaturgo, diretor e músico, tendo seus textos destinados ao público infanto-juvenil. Estreou como diretor no espetáculo "Panos e Lendas", em 1978, pelo qual ganhou os prêmios Mambembe, Governador do Estado de São Paulo e Molière. Em 1985, com o espetáculo "Avoar", recebeu o Prêmio Apetesp, nas categorias Autor, Espetáculo, Diretor e Música ou Trilha Sonora. No ano seguinte, com a peça "Antes de Ir ao Baile", novamente foi premiado com pela Apetesp, nas categorias Autor, Espetáculo e Diretor.
Teatro
·         1978- Panos e lendas (texto, direção e música)
·         1980- Forrobodó (direção e integrante da criação coletiva do texto)
·         1981- Como a Lua (texto, direção e música)
·         1983- Filme Triste (texto e direção)
·         1985- Avoar (texto, direção e direção musical)
·         1986- Antes de ir ao Baile (texto, direção e música)
·         1987- Maria Borralheira (texto e direção)
·         1989- O Dia de Alan (texto e direção)
·         1993- O Saci (texto e direção)
·         1994- Chimbirins e Chimbirons (direção)
·         1995- Píramo e Tisbe (texto e direção)
·         1996- Ana Paz (direção e concepção musical)
·         1997- O Homem das Galochas (texto e direção)
·         1998- Clarão nas Estrelas (texto e direção)
·         1999- Imagens (texto e direção)
·         2003- Miranda (texto e direção)
·         2003- O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá (texto e direção)
·         2007- A Flauta Mágica (texto:adaptação)
·         2007- Tristão e Isolda (texto e direção)
·         2009- O Colecionador de Crepúsculos (texto e direção)
·         2010- O Meu Amigo Pintor (adaptação cênica e direção)
Prêmios
·         1978- Panos e lendas - Molière para Vladimir Capella; APCA, Melhor Espetáculo; Mambembe, Melhor Autor (Vladimir Capella e J.G. Rocha), Melhor Figurino (Valnice Vieira e Nora Vianna); Governador do Estado, Melhor autor e Melhor Figurino; SNT, Os 5 melhores espetáculos do ano (1979 - RJ)
·         1980- Forrobodó - SNT, “Os 5 melhores espetáculos do ano
·         1981- Como a Lua - Molière, para Marcos Frota; APCA, Melhor Espetáculo, Melhor Autor, Melhor Ator;Mambembe, Melhor Autor, Melhor Ator, Melhor Produção (Marti & Acaiabe); Inacen, Os 5 melhores espetáculos do ano
·         1984- Do Outro Lado - Inacen-Prêmio Hermilio Borba Filho, 3º lugar Concurso Nacional de Dramaturgia para Bonecos
·         1985- Avoar - APCA Melhor música (Vladimir Capella e Marcos Arthur); Apetesp, Melhor Espetáculo, Melhor Autor, Melhor Música, Melhor Diretor, Melhor Atriz (Ana Maria de Souza), Melhor Produção (Grupo Pasárgada), Melhor Produção Executiva (Evinha Sampaio); Governador do Estado, Melhor Música; Mambembe, Melhor Autor, Melhor Música; Inacen, Os 5 melhores do ano
·         1987- Antes de ir ao Baile - Molière, para Lizette Negreiros; Apetesp, Melhor Espetáculo, Melhor Autor, Melhor Diretor, Melhor Atriz (Lizette Negreiros), Melhor Cenário (J.C.Serroni), Melhor Figurino (J.C.Serroni), Melhor Iluminação (Mário Martini); Prêmio João Ceschiatti - BH, Melhor Espetáculo Visitante; Sated-RJ, Melhor Autor
·         1987- Maria Borralheira - Molière, para J.C. Serroni; APCA, Grande Prêmio da Crítica, Melhor Autor, Melhor Cenário (J.C. Serroni), Melhor Figurino (J.C. Serroni), Melhor Iluminação (Marcio Aurélio); Apetesp, Melhor Espetáculo, Melhor Autor, Melhor Diretor, Melhor Atriz (Mayara Magri), Melhor Atriz Coadjuvante (Cláudia Gutierrez), Melhor Música (Dyonisio Moreno), Melhor Cenário, Melhor Figurino, Melhor Iluminação, Melhor Coreografia (Rosa Hércoles), Melhor Produção (Grupo Movimento Ar), Melhor Produção Executiva (Rosa Casalli), Melhor Cenotécnico (José Revoltos Mir); Governador do Estado, Melhor Espetáculo, Melhor Autor, Melhor Diretor, Melhor Atriz Coadjuvante (Evinha Sampaio e Tatiana Nogueira), Menções Honrosas para Música e Sonoplastia (Solange Araújo); Mambembe, Melhor Espetáculo, Melhor Autor, Melhor Diretor, Melhor Atriz (Mayara Magri), Melhor Atriz Coadjuvante (Cláudia Gutierrez); Inacen, Os 5 melhores espetáculos do ano
·         1989- O Dia de Alan - Secretaria de Estado da Cultura – Prêmio Narizinho, 1º lugar Concurso de Dramaturgia; APCA, Melhor Autor; Apetesp Melhor Autor; Mambembe, Melhor Autor, Melhor Ator coadjuvante (Helio Zacchi), Melhor Atriz Coadjuvante (Selma Luchesi); Fundacen, Os 5 melhores do ano
·         1991- Panos e Lendas - APCA, Melhor Espetáculo; Apetesp, Melhor Espetáculo, Melhor Autor, Melhor Diretor, Melhor Produção Executiva (Evinha Sampaio)
·         1992- Como a Lua - Apetesp, Melhor Autor, Melhor Diretor, Melhor Música (Vladimir Capella), Melhor Ator (Wanderley Piras)
·         1993- O Saci - Apetesp, Melhor Espetáculo, Melhor Autor, Melhor Diretor, Melhor Ator (Eduardo Silva) Melhor Cenário (Marcio Tadeu), Melhor Figurino (Marcio Tadeu), Melhor Produção Executiva (Beti Antunes), Melhor Cenotécnico (Jorge Ferreira); Mambembe, Melhor Ator
·         1994- Chimbirins e Chimbirons - APCA, Grande Prêmio da Crítica
·         1994- Maria Borralheira - Sharp, Melhor Espetáculo do Eixo Rio-São Paulo; APCA, Melhor Espetáculo, Melhor Diretor, Melhor Atriz (Selma Luchesi), Melhor Cenário (J.C. Serroni), Mambembe, Melhor Diretor, Melhor Atriz, Melhor Cenário
·         1995- Píramo e Tisbe - Apetesp, Melhor Autor, Melhor Atriz Coadjuvante (Selma Luchesi); Mambembe, Melhor Ator Coadjuvante (Caco Ciocler), Melhor Atriz Coadjuvante, Melhor Cenário (Romero de Andrade Lima), Melhor Produção (Teatro Popular do Sesi); Funarte, Os 5 melhores espetáculos do ano
·         1997- O Homem das Galochas - APCA, Grande Prêmio da Crítica pela autoria e direção de Vladimir Capella, Melhor Cenário (J.C. Serroni), Melhor Atriz (Débora Duboc), Melhor Música (Dyonisio Moreno), Melhor Iluminação (Davi de Brito); Apetesp, Melhor Atriz, Melhor Cenário, Melhor Figurino (J.C. Serroni), Melhor Ator Coadjuvante (Gustavo Haddad); Coca-Cola, Melhor Iluminação, Melhor Produção (Princípio do Talento);Mambembe, Melhor Autor, Melhor Ator Coadjuvante (Turíbio Ruiz), Melhor Iluminação, Melhor Figurino;Funarte, os 5 melhores espetáculos do ano
·         1998- Clarão nas Estrelas - APCA, Grande Prêmio da Crítica pela autoria e direção de Vladimir Capella, Melhor Atriz (Selma Egrei), Melhor Cenário (J.C. Serroni), Melhor Música (Dyonisio Moreno), Melhor Iluminação (Davi de Brito); Apetesp, Melhor Autor, Melhor Cenário, Melhor Figurino (J.C. Serroni), Melhor Música, Melhor Atriz coadjuvante (Renata Zhaneta), Melhor Ator Coadjuvante (Cacá Amaral); Coca-Cola, Melhor Atriz (Selma Egrei); Mambembe, Melhor Autor, Melhor Figurino, Melhor Iluminação, Melhor Atriz Coadjuvante (Selma Egrei); Funarte, Os 5 melhores espetáculos do ano
·         2003- Miranda - Funarte, 2º lugar Concurso Nacional de Dramaturgia 2002; APCA, Melhor Diretor; Coca-Cola, Melhor Iluminação (Davi de Brito)
·         2003- O Colecionador de Crepúsculos - Prêmio Tatiana Belinki- Secretaria de Estado da Cultura, 1º lugar Concurso Nacional de Dramaturgia
·         2003- O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - APCA, Melhor Espetáculo, Melhor Diretor; Coca-Cola Femsa, Melhor Espetáculo, Melhor Diretor, Melhor Figurino (J.C. Serroni), Melhor Produção (Cíntia Abravanel)
·         2005- Avoar - Coca-Cola Femsa, Melhor Iluminação (Ciso de Souza)
·         2007- Tristão e Isolda - Coca-Cola Femsa, Melhor Espetáculo Jovem, Melhor Produção (Teatro Popular do SESI)
·         2009- O colecionador de Crepúsculos - Primeiro lugar – Concurso Nacional de Dramaturgia; APCA, Melhor Figurino (Telume Hellen/J.C. Serroni); Femsa, Melhor Figurino, Melhor Iluminação (Davi de Brito/Vânia Jaconis), Melhor Ator Coadjuvante (Giovani Tozzi), Melhor Espetáculo Jovem


CULTURA DE LUTO: MORRE CAMARÃO.

Abril de perdas para Pernambuco na política e na cultura: depois das mortes dos deputados Manoel Santos e Pedro Eugênio chega, há pouco, a confirmação da partida do sanfoneiro Camarão, que estava internado no hospital Santa Joana. Nascido no Distrito de Fazenda Velha, em Brejo da Madre de Deus, Camarão ganhou seu apelido do compositor e amigo Jacinto Silva, que notou as bochechas avermelhadas do sanfoneiro e falou: "Pronto, chegou o Camarão".
 
Camarão dedicou a maior parte de sua vida à música, sobretudo, à sanfona. O interesse pelo instrumento surgiu dentro da própria família. O oito baixos do seu pai, que era deixado na cama quando ele ia para a roça, foi descoberto por Camarão. “Maria Bonita” foi tocada pelo menino aos sete anos de idade. Aos 20 anos, Camarão ingressou na Rádio Difusora de Caruaru, onde grandes músicos como Sivuca e Hermeto Pascoal também estiveram. Camarão recebeu grande influência de Luiz Gonzaga, inclusive na produção de seus primeiros discos. 3
 
Reconhecido por ventilar o ritmo regional por sopros de sax, trompete e trombone, Camarão tem grande importância na efervescência musical do Estado de Pernambuco. Em 1968, ele cria a primeira banda de forró do Brasil, a Banda do Camarão. 4 Entre os discos, podemos citar: Camarão, Forró pra Frente, Na Toca do Camarão – Camarão e seu Acordeon, A Bandinha do Camarão, Camarão plays Forró, Banda do Camarão, Forrofando em Caruaru.
Desde a década de 1980, Camarão mora no Recife, onde ministra aulas de sanfona na Escola de Acordeon de Ouro, fundada por ele e localizada em Areias. Foi homenageado no São João de Caruaru em 1999 e de Recife no ano de 2007. Camarão obteve o título de Patrimônio Vivo de Pernambuco em 2003.
 




quinta-feira, 16 de abril de 2015

SEXTA DA VIOLA NO QUINTAL DO MUSEU CHEGA A 3ª EDIÇÃO EM ABRIL

Na próxima sexta-feira 24 de abril acontece mais uma edição do ‘SEXTA DA VIOLA’ no Quintal do Museu do Cangaço, como os Poetas Cantadores Edmilson Ferreira & Antonio Lisboa, que com suas violas e muitas rimas vão alegrar o público e tecer versos sobre diversos temas e motes sugeridos pelos presentes ao evento que chega ao terceiro mês. “Está tudo preparado, foi um sucesso nos dois últimos meses, tanto de publico, quanto de versos e rimas, assim não tenho duvida que novamente será uma grande noite da arte e da poesia”. Diz Damião Enésio um dos organizadores da empreitada que conta com a parceria da Fundação Cultural Cabras de Lampião e o apoio da Secretaria de Cultura e Turismo da Capital do Xaxado, além, claro dos Amigos da Viola que contribuem para a manutenção mensal da SEXTA DA VIOLA NO QUINTAL DO MUSEU.   
O evento terá inicio às 20 horas. Com entrada gratuita e classificação indicativa livre para todas as idades, classes e cultos, anunciamos ainda que o Museu do Cangaço estará aberto nesta noite para visitação, contando a história do cangaço, Lampião, sua Maria e seu bando.


* SERVIÇO: 


Sexta da Viola
dia 24/04/2015 às 20h
Quintal do Museu do Cangaço (estação)
Entrada Franca