Vídeos

Loading...

sexta-feira, 1 de abril de 2016

MINISTRO PARTICIPA DE ATO DE ARTISTAS A FAVOR DA DEMOCRACIA

O ministro da Cultura, Juca Ferreira, participou na manhã desta quinta-feira (31) de um ato de artistas e intelectuais a favor da democracia, realizado no Palácio do Planalto, em Brasília, junto à presidente Dilma Rousseff. Na ocasião, cerca de 20 grupos, associações e representações artísticas entregaram à presidenta manifestos e notas de apoio ao Estado de Democrático de Direito.
 
"É evidente que os artistas, os produtores culturais e os intelectuais têm um papel importante neste momento. Eles são uma espécie de liga que mobiliza e que cria possibilidades de vínculos, mesmo com pessoas que são críticas ao governo e não apoiam a presidenta Dilma, mas sabem que com a democracia ameaçada, é preciso defendê-la", afirmou o ministro da Cultura, Juca Ferreira, após o encerramento do ato. 
 
A atriz Letícia Sabatella, a cineasta Anna Muylaert e a cantora Beth Carvalho foram algumas das artistas que discursaram durante a realização do evento a favor da democracia e contra a realização de um impeachment sem bases legais. 
 
Em seu discurso, a presidenta Dilma Rousseff defendeu o seu mandato, legitimado pelo voto de mais de 54 milhões de brasileiros, e destacou a necessidade de proteção do Estado Democrático de Direito em meio à crise política e econômica que o país enfrenta.
 
"Todos aqui têm distintas filiações partidárias, muitos, inclusive, não as têm. Outros têm posições contrárias ao governo e muitos nem mesmo votaram em mim. Todos [entretanto] votaram e participaram de um processo democrático. É justamente essa participação no processo democrático por meio do voto que nos une aqui hoje", afirmou a presidenta, afirmando que a democracia do país fora abalada tempos atrás. "Há 52 atrás, neste exato dia, um golpe militar deu início a uma fase da nossa história marcada pelo arbítrio, pelo desrespeito a direitos humanos e individuais", relembrou.
 
Se colocando como oposição e crítica ao governo, a atriz Letícia Sabatella afirmou ali estar por algo muito maior - a defesa da democracia. "Nossa democracia é jovem, imatura, neocoronelista e ainda sofre com um modelo de desenvolvimento bastante predatório e deve muito em justiça social aos pobres, aos negros, ao pequeno agricultor. Eu sou oposição ao seu governo, presidenta Dilma, mas eu tenho um contentamento em poder dizer isso na sua frente", disse. 
 
"Mesmo estando aqui como oposição, não tenho como não reconhecer essa ascensão social de grande parte da população. A gente viu que essa condição pode ser mexida e que há vontade política para isso. Uma vez dado um passo, a gente ter que dar um passo adiante, e não para trás", afirmou.
 
Em referência a Jéssica, uma das personagens principais do seu filme Que horas ela volta?, a diretora Anna Muylaert atribuiu a inclusão social de milhares de brasileiros aos governos da presidenta Dilma e o ex-presidente Lula. 
 
Interpretada pela atriz Camila Márdila, Jéssica é uma garota que foi deixada por sua mãe no Nordeste ainda criança. Val, encenada por Regina Casé, mudou-se para São Paulo para trabalhar como doméstica e garantir, mesmo à distância, a educação de sua filha. Já adolescente, a menina chega na capital paulista para prestar vestibular em uma das mais famosas e reconhecidas faculdade de arquitetura do país. 
 
"O trabalho que foi feito pelo governo Dilma, pelo governo anterior do Lula, é um trabalho de inclusão social de um nível estrondoso no planeta. A Europa sabe e reconhece. Aqui, talvez precise de alguns anos para a gente entender a dimensão do que vem acontecendo", disse. "Ainda haverá um dia em que uma presidente da República que será uma Jéssica", finalizou a cineasta. 
 
Também presente, a sambista Beth Carvalho afirmou que o seu compromisso com a democracia vem de longe e chegou a afirmar que conheceu o ex-presidente Lula quando ele era ainda sindicalista e desde então passou a admirá-lo pela sua força. 
 
"Estou aqui hoje pelo amor à liberdade. Liberdade esta que eu e milhões de brasileiros sabemos o quanto custou para ser conquistada", disse a cantora. "Neste momento, em que os avanços sociais conquistados a tão duras penas estão seriamente ameaçados pela direita, a classe artística mais uma vez se levanta para cumprir o seu papel de vanguarda na defesa da democracia e da legalidade", completou Beth.
 
Também participaram e acompanharam o ato o teatrólogo Aderbal Freire Filho, o escritor Raduan Nassar, o rapper Flávio Renegado, os atores Sergio Mamberti e Antonio Pitanga, além dos professores e intelectuais Petronilha Beatriz Gonçalves e Silva, Emir Sader e Leonardo Avritzer. O neurocientista brasileiro Miguel Nicolelis, o artista norte-americano Danny Glover e o cantor Tico Santa Cruz, da banda Detonautas, gravaram mensagens de apoio à presidenta, mostradas em um telão.
 
Cristiane Nascimento
Assessoria de Imprensa
Ministério da Cultura

Nenhum comentário: